Notícias

Notícias

Juros: Taxas fecham em queda firme em dia de ajustes pós-Copom e de olho em petróleo

Por
Agência Brasil

Apesar da disparada do dólar e do reajuste dos preços dos combustíveis anunciado hoje pela Petrobras, os juros futuros encerraram em queda firme a sessão desta sexta-feira, 17, sobretudo entre o miolo e a ponta longa da curva a termo. Como o mercado estava fechado ontem, em razão do feriado de Corpus Christi, os ajustes à decisão do Copom na quarta-feira, 15, de elevar a taxa Selic em 50 ponto porcentual, para 13,25%, e sinalizar novo aumento em agosto se deram hoje. A curva doméstica reflete aposta majoritária em nova alta da Selic em 0,50 ponto porcentual, para 13,75%.

Investidores também incorporaram hoje à curva doméstica o tombo de ontem das taxas dos Treasuries, diante dos temores de recessão nos Estados Unidos, na esteira da alta de juros promovida pelo Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), que elevou a taxa básica em 75 pontos-base, para a faixa entre 1,50% e 1,75% ao ano. A queda expressiva do petróleo, que passou a ser negociado perto dos US$ 110 o barril, ao lado de perdas de commodities metálicas, também contribuiu para a redução das taxas futuras.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou em 13,55%, de 13,604%, e a do DI para janeiro de 2024 caiu de 13,437% para 13,22%. Entre os longos, o DI para janeiro de 2027 encerrou com taxa de 12,52% (de 12,75%), ao passo que o DI para janeiro recuou 12,67% para 12,45%, na mínima da sessão.

“O reajuste dos combustíveis, principalmente da gasolina, veio abaixo do esperado. O maior impacto nos preços será do corte do ICMS. As taxas são não estão caindo mais porque o câmbio está pressionado”, afirma o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, destacando que o petróleo tem fortes perdas no mercado internacional. “Essa queda dos juros futuros parece até estranha em dia de estresse como hoje. Mas no contexto pós-Copom, de perspectiva de recessão nos EUA e perdas do petróleo, faz todo sentido”.

Embora as taxas futuras mostrem expectativa de nova alta da Selic em 50 pontos-base em agosto, Vieira prevê que uma elevação terminal da Selic em 0,25 ponto, para 13,50% e afirma que, dependendo dos indicadores daqui até lá, pode nem haver elevação adicional da taxa básica. “O Copom poderia já ter parado agora, mas deu outra alta porque o Fed subiu em 75 pontos-base. Era hora de parar para esperar os efeitos defasados da política monetária”, afirma Vieira, para quem o imbróglio político envolvendo a Petrobras e eventuais riscos fiscais já estão embutidos nas taxas.

Em seu comunicado na quarta-feira, o Copom afirmou que “antevê um novo ajuste, de igual ou menor magnitude” da Selic em agosto. As projeções de inflação no cenário de referência do comitê “não incorporam o impacto de medidas tributárias sobre os preços de combustíveis, energia elétrica e telecomunicações que estão em tramitação”.

Na quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que limita o teto do ICMS para combustíveis, energia e telecomunicações em 17% até dezembro – que já havia passado pelo Senado e é uma das principais iniciativas do governo Bolsonaro para segurar os preços da gasolina e do diesel. Essa medida, segundo analistas, pode reduzir a inflação neste ano, mas aumenta as expectativas para o IPCA em 2023.

A Petrobras anunciou hoje pela manhã o primeiro aumento dos combustíveis nas refinarias em 99 dias. O diesel vai subir 14,2% e a gasolina, 5,2%. Diversas casas fizeram as contas para calcular o impacto do reajuste sobre o IPCA deste ano. Pelos cálculos do Santander, o aumento da gasolina vai levar a acréscimo de 0,13 ponto porcentual na inflação, que o banco estima em 9,5% em 2022. Considerando gasolina e diesel, a Asa Investments projeta impacto de 0,22 ponto porcentual no IPCA deste ano.

A política de preços da Petrobras, que busca a paridade com o mercado internacional, e os lucros da petroleira foram alvo de críticas duras no meio político. O presidente Jair Bolsonaro (PL) chamou o reajuste de inconcebível e sugeriu a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o presidente e os conselheiros da Petrobras. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que pode dobrar a taxação dos lucros da empresa, a quem acusou de não ter “absolutamente nenhuma sensibilidade”. Já o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, propôs, em post no Twitter, que o governo divida “os enormes lucros da Petrobras com a população, por meio de uma conta de estabilização de preços em momentos de crise”.

O economista-chefe da JF Trust, Eduardo Velho, afirma que a próxima semana “promete ser nervosa”, com a “pressão de Lira e do Centrão” para alterar a dinâmica dos preços dos combustíveis, uma vez que a política de reajustes da Petrobras pode “limitar” o impacto do projeto do ICMS sobre a inflação. “Aumenta o risco fiscal do governo tentar fazer ações expansionistas e de controles de preços e de tabela. Isso pressiona o BC para prolongar a alta da Selic pela dinâmica do dólar”, afirma Velho, em relatório. “O sinal é de mais 50 pontos (de aumento da taxa Selic) em agosto, mas não deveria parar”.