EconomiaNotícias

Aos poucos, vai ficar claro todo o compromisso fiscal, diz secretário

1 Minutos de leitura
O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, afirmou nesta quarta-feira que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios e o Auxílio Brasil devem estar endereçados nas próximas duas semanas.

“Quando se olha para trás, fica muito claro que fizemos grande trabalho de consolidação fiscal. Dúvida é para frente. Com esses assuntos endereçados, o nível de ruído vai diminuir. Então vai vir o recesso parlamentar e vai ficar claro para sociedade o gasto a mais que será feito com a PEC dos precatórios. Aos poucos, vai ficar claro todo o compromisso fiscal”, disse ele, durante coletiva de imprensa para comentar a nova grade de parâmetros da Secretaria de Política Econômica (SPE).

A PEC dos precatórios limita a despesa com o pagamento dessas dívidas judiciais e altera a regra de indexação do teto de gastos, do IPCA em 12 meses até junho para dezembro, o que é considerado uma manobra para abrir espaço extra em 2022, ano eleitoral.

Como foi aprovado na Câmara, o texto abre espaço extra de R$ 91,6 bilhões no teto de gastos no ano que vem, em que apenas uma parte será usada para bancar o Auxílio Brasil de R$ 400.