FinançasNotícias

Apple avalia uso de criptomoedas, mas CEO faz ressalva para Apple Pay

1 Minutos de leitura
O presidente-executivo da Apple Inc., Tim Cook, afirmou nesta terça-feira que a empresa observa com atenção o uso de criptomoedas, em entrevista para o DealBook Online Summit do New York Times. Segundo o CEO, embora ainda não haja um projeto claro, “os esforços potenciais em moedas digitais não envolveriam um investimento grande do saldo de caixa da Apple”, disse.

Cook ainda destacou que a empresa não tem planos imediatos de aceitar criptomoedas no Apple Pay ou como meio de licitação para seus produtos. “Mas há outras coisas para as quais definitivamente estamos olhando”, disse ele, sem especificar.

Criptomoedas já fazem parte dos investimentos pessoais de Cook, que afirma estar “há algum tempo” pesquisando sobre os ativos digitais. “Acho que é razoável possuí-las como parte de um portfólio diversificado e não estou dando conselhos de investimento a ninguém”, disse ele.

Perguntado sobre as representações virtuais de itens (chamadas de NFTs ou tokens não fungíveis), Cook afirmou que os vê como interessantes, embora leve um tempo para que ganhem um uso convencional. NFTs são comumente conectados a uma obra de arte digital ou outro item do mundo real e vendidos como uma propriedade digital exclusiva, já que são definidos por criptoativos únicos.

Outras empresas e executivos já se aventuraram no reino das criptomoedas. A Tesla Inc. divulgou um investimento de $ 1,5 bilhão em bitcoin em fevereiro e começou a aceitá-lo como pagamento por seus veículos. Mas a decisão foi revertida em maio, quando Elon Musk expressou preocupação com o gasto energético provocado pela mineração de bitcoins.

O presidente da Comissão de Valores Mobiliários do governo Biden, Gary Gensler, afirmou que o órgão será “muito ativo” em trazer o mercado de moeda digital sob sua estrutura de proteção ao investidor. “Muitos tokens nos mercados de criptografia morreram e muitos dos existentes arrecadam dinheiro público, apresentando riscos como fraude e manipulação”, reforçou Gensler.