FinançasNotícias

Bolsas de NY fecham em baixa, com inflação dos EUA no radar

2 Minutos de leitura
As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta terça-feira, 9, encerrando uma sequência de recordes históricos. Investidores absorveram a leitura de outubro da inflação ao produtor, enquanto aguardam a divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI) amanhã.

No fechamento, o Dow Jones caiu 0,31%, a 36.319,98 pontos, o S&P 500 cedeu 0,35%, a 4.685,25 pontos, e o Nasdaq teve baixa de 0,60%, a 15.886,54 pontos. A queda do S&P interrompeu uma sequência de oito dias de ganhos, a mais longa desde abril de 2018.

Entre os destaques negativos, o papel da Tesla despencou 11,99%, ainda reagindo à sinalização do CEO da empresa, Elon Musk, de que pode vender 10% de sua participação na companhia.

Por outro lado, General Electric avançou 2,65%, depois de anunciar que irá se dividir em três empresas distintas focadas nos setores de aviação, energia e cuidados de saúde.

Entre os indicadores econômicos, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,6% em outubro ante setembro, em linha com expectativas do mercado. O Citi aponta que detalhes de um “sólido crescimento” do PPI foram mistos, com uma força contínua nos preços de bens – exceto em automóveis – enquanto os preços de serviços estão mais moderados.

O foco, agora, se volta para o CPI de outubro, marcado amanhã. A mediana do Projeções Broadcast mostra que o indicador deve apresentar alta de 0,6% ante setembro e 5,9% na comparação anual.

Investidores estão atentos também ao notíciário sobre o combate à covid-19. A ação da Pfizer recuou 3,74%, no dia em que a farmacêutica pediu a reguladores americanos autorização para o uso de seu imunizante contra covid-19 em todos os adultos. Já a Merck ganhou 0,07%, após anúncio de contrato de US$ 1 bilhão do governo americano para compra de medicamentos contra covid-19 desenvolvido pela empresa em parceria com a Ridgeback Biotherapeutics.

Ainda no radar dos operadores, dirigentes do Federal Reserve (Fed) avaliaram hoje as perspectivas da política monetária. O presidente da instituição, Jerome Powell, disse estar atento a uma ampla gama de fatores para avaliar se o país atingiu o pleno emprego. Presidente da distrital de San Francisco, Mary Daly afirmou que ainda há grande incerteza sobre o mercado de trabalho americano. Comentário parecido foi feito pelo dirigente de Minneapolis, Neel Kashkari. Já James Bullard, líder do Fed de St. Louis, disse esperar que o Fed eleve sua taxa de juros duas vezes em 2022.

*Com informações da Dow Jones Newswires