FinançasNotícias

Bolsas de NY fecham pregão em alta, mas ficam em queda na semana

1 Minutos de leitura
As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta sexta-feira, mas interromperam uma sequência de cinco semanas de ganhos, enquanto investidores avaliam as perspectivas da inflação nos Estados Unidos.

No fechamento, o índice Dow Jones avançou 0,50%, a 36.100,31 pontos. O S&P 500 ganhou 0,72%, a 4.682,85 pontos. O Nasdaq subiu 1,00%, a 15.860,96 pontos. Na comparação semanal, no entanto, os três índices recuaram 0,62%, 0,31% e 0,68%, respectivamente.

A ação da Johnson & Johnson apareceu entre os destaques da sessão, com ganho de 1,15%, depois que o CEO da empresa, Alex Gorksy, afirmou ao Wall Street Journal que a companhia planeja se dividir em duas, separando o grupo voltado a bens de consumo e o de medicamentos e equipamentos médicos.

Ao longo do dia, investidores monitoraram indicadores macroeconômicos dos EUA e posicionamentos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). A abertura de postos de trabalho no país ficou estável em 10,4 milhões em setembro, segundo informou nesta sexta o Departamento de Trabalho.

Já a Universidade de Michigan revelou que o índice de sentimento do consumidor americano cedeu de 71,7 em outubro a 66,8 na leitura preliminar de novembro, contrariando expectativa de alta do mercado. De acordo com a instituição, as expectativas inflacionárias em 12 meses subiram de 4,8% a 4,9% no período.

Para o chefe de investimentos da gestora Brooks Macdonald, Edward Park, a escalada dos preços fortalece o argumento de que o Fed deve manter juros baixos por um bom tempo, o que é positivo para os mercados acionários.

“Quanto mais obtemos essas leiuturas de CPI muito altas, mais isso é trazido à tona”, disse ele, referindo-se ao índice de preços ao consumidor, que avançou no ritmo anual mais rápido em três décadas no mês passado.

Presidente da distrital de Nova York do Fed, John Williams, comentou nesta sexta-feira que participantes da renda fixa estão menos protegidos contra a “inflação alta e persistente” do que parte da força de trabalho americana.

*Com informações da Dow Jones Newsiwres