EconomiaNotícias

JPMorgan: ata deixa margem para acelerar ritmo de aperto a depender de fiscal

1 Minutos de leitura
A ata do Comitê de Política Monetária (Copom) apresentou uma comunicação mais “hawkish” do que a observada no comunicado, avalia o JPMorgan. Em relatório, o banco afirma que o documento deixou margem para uma aceleração do ritmo de alta dos juros em dezembro, a depender dos resultados das negociações fiscais no País e dos seus impactos sobre as expectativas de inflação.

“Nós continuamos vendo o BC aumentando a Selic 1,5 ponto porcentual em dezembro, seguido por dois aumentos de 1 ponto no início do ano que vem, com taxa terminal de 11,25%. No entanto, dada a deterioração contínua no front fiscal, continuamos a destacar o risco de uma taxa terminal mais alta e não podemos descartar uma antecipação dos ajustes de política monetária nas próximas reuniões”, escrevem a economista-chefe do JPMorgan no Brasil, Cassiana Fernandez, e o economista Vinicius Moreira.

Os economistas destacam a informação da ata de que os membros do Copom chegaram a discutir um aumento de juros superior a 1,5 ponto, mas consideraram que esse aumento era adequado no momento da reunião para perseguir a meta de inflação de 2022.