FinançasNotícias

Manhã amena no exterior e leilão à vista do BC mantêm dólar em queda

1 Minutos de leitura
O dólar que vinha em queda, com a cotação no segmento à vista abaixo dos R$ 5,72, reduziu o ritmo na manhã desta terça-feira mesmo após realização do leilão onde o Banco Central vendeu a integralidade dos US$ 500 milhões ofertados no spot. O dia mais ameno no exterior pode contribuir para que o movimento de apreciação continue, muito embora, segundo profissionais de câmbio, ainda exista demanda típica de final de ano para a divisa americana.

Localmente, os investidores devem acompanhar a votação do Orçamento para 2022 na Comissão Mista de Orçamento, que ontem foi adiado. As preocupações se voltam para as definições a respeito da expansão dos gastos baseadas em superestimação das receitas, como aumento do salário mínimo, do Auxílio Brasil e reajuste salariais para várias categorias do funcionalismo público.

Na agenda doméstica ainda, a Receita Federal divulga no início da tarde a arrecadação federal de novembro, que deve ficar abaixo de outubro (R$ 178,742 bilhões), em R$ 156,0 bilhões, de acordo com a mediana apurada pelo Projeções Broadcast.

No exterior, ainda que as incertezas sobre os impactos da variante Ômicron sobre a economia global, uma vez que tem levado a novos fechamentos de locais públicos principalmente em países europeus, ainda estejam no radar, o dia inicia com alguma recuperação.

Os contratos futuros de petróleo, que imprimiram forte queda na sessão de negócios de ontem, há instantes, operavam em alta. O tipo WTI avançava 1,72% enquanto Brent, 1,55%. Isso pode ajudar a reduzir a pressão sobre as moedas de emergentes exportadores que, neste início de manhã, já apontavam ganhos sobre a divisa americana, como o peso chileno.

A lira turca, que na véspera trouxe pressão marginal para os pares, como o Brasil, seguia em ritmo de fortalecimento, ainda refletindo medidas cambiais anunciadas pelo presidente Recep Tayip Erdogan.

Em tempo: a autoridade monetária também manterá a oferta de 15.000 (US$ 750 milhões) contratos de swap cambial em leilão tradicional no final da manhã, dando continuidade à rolagem dos vencimentos de fevereiro.