EconomiaNotícias

Mesmo com alta da Selic, poupança ainda perde para outras aplicações

2 Minutos de leitura
A Selic está atualmente em 7,75% ao ano. Mas a aposta do mercado é que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central determine um novo aumento para a taxa básica de juros na sua próxima reunião, que ocorre em 7 e 8 de dezembro. A expectativa é de que se mantenha o ritmo de aumento de 1,50 ponto porcentual, fazendo com que a taxa encerre 2021 no patamar de 9,25% ao ano.

O cenário alteraria a remuneração da poupança, aumentando seu rendimento nominal. Ainda assim, ela continuaria tendo rentabilidade líquida inferior a de outras aplicações de renda fixa, como os títulos públicos ou privados (por exemplo, o Tesouro Direto ou CDBs de instituições financeiras).

Segundo a regra do Banco Central, quando a Selic está abaixo de 8,5% ao ano o rendimento da poupança é de 70% da Selic mais a taxa referencial (TR), que está zerada. Já quando a taxa básica de juros é superior a 8,5% ao ano, o rendimento da poupança passa a ser de 0,5% ao mês mais a TR. Ou seja, caso se confirme a Selic a 9,25%, a segunda regra passará a valer, elevando o rendimento para 0,5% ao mês – atualmente, a poupança rende 0,44% ao mês.

Investimentos

Apesar da mudança na remuneração, o investimento que é feito na caderneta de poupança continuaria menos atraente do que em outras aplicações de renda fixa, afirma Camilla Dolle, head de renda fixa da corretora XP.

Para demonstrar sua tese, ela realizou uma simulação que compara a poupança com outros investimentos em renda fixa no cenário de Selic a 9,25%. “Pode ser que algumas pessoas achem que terão mais rendimento, que vai melhorar. Mas, em relação a outros investimentos, a poupança continua sendo inferior”, afirma.

“A rentabilidade da poupança ocorre apenas uma vez ao mês, no aniversário da aplicação, enquanto os outros investimentos possuem rentabilidade diária”, diz Camilla.

A poupança se popularizou entre os brasileiros por ser considerada menos arriscada e não ter incidência de Imposto de Renda. “Há uma questão comportamental de se investir na poupança no Brasil. Muitas vezes o próprio investidor não busca mais informações ou, então, acha que não é para ele investir em outras aplicações. Mas é muito mais vantajoso investir nessas outras aplicações de renda fixa, como o Tesouro Selic e o CDB”, afirma Camilla.

Liquidez

A liquidez diária, ou seja, a possibilidade de resgate a qualquer momento dos valores investidos na poupança, é um dos fatores que contribuem para a escolha pela aplicação. “Mas o Tesouro Selic, por exemplo, possibilita liquidez no mesmo dia útil para resgates feitos até as 13 horas. E quem aplica em poupança costuma deixar o dinheiro parado, em média, por 11 anos antes de fazer movimentações”, diz Camilla.

“Mesmo para os investidores mais conservadores, existem outras opções de investimento, que possibilitam rentabilidades maiores.”

O estoque atualizado da poupança até o dia 25 do mês passado era de R$ 1,012 trilhão, de acordo com dados do BC. Em outubro, esse valor era um pouco maior, de R$ 1,027 trilhão, conforme a instituição.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.