EconomiaNotícias

País tem taxa de informalidade de 40,7% no trimestre até outubro, diz IBGE

2 Minutos de leitura
O País alcançou uma taxa de informalidade de 40,7% no mercado de trabalho no trimestre até outubro, com 38,211 milhões de trabalhadores atuando informalmente, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), apurada pelo Instituto Brasileiro de Economia e Estatística (IBGE).

Em um trimestre, 1,782 milhão de pessoas a mais atuaram como trabalhadores informais. “54% da expansão da ocupação (no trimestre até outubro) veio da informalidade. Obviamente, em divulgações anteriores, a gente já teve porcentuais da importância da informalidade na expansão da ocupação muito maiores. Já tivemos trimestre em que a informalidade respondia por 70% do crescimento da ocupação. Ainda assim, a informalidade ainda responde por mais da metade da recuperação da ocupação”, observou Adriana Beringuy, coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Adriana observou ainda que a taxa de informalidade já superou o patamar pré-pandemia: no trimestre até janeiro de 2020, essa taxa era de 40,3%.

Um dos reflexos da elevada informalidade no mercado de trabalho é a baixa contribuição para a Previdência Social. A proporção de trabalhadores ocupados contribuindo para a Previdência Social ficou em 62,8% no trimestre até outubro, ante 63,4% no trimestre encerrado em julho.

Emprego com carteira assinada

De acordo com o IBGE, o trimestre encerrado em outubro de 2021 mostrou a abertura de 1,324 milhão de vagas com carteira assinada no setor privado em relação ao trimestre encerrado em julho. Na comparação com o trimestre até outubro de 2020, 2,551 milhões de vagas com carteira assinada foram criadas no setor privado.

O total de pessoas trabalhando com carteira assinada no setor privado foi de 33,876 milhões no trimestre até outubro, enquanto outros 11,956 milhões atuavam sem carteira assinada, 1,038 milhão a mais que no trimestre anterior. Em relação ao trimestre até outubro de 2020, foram criadas 1,976 milhão de vagas sem carteira no setor privado.

Trabalho por conta própria

O trabalho por conta própria ganhou 638 mil pessoas a mais em um trimestre. Há 3,497 milhões de pessoas a mais nessa condição que o patamar de um ano antes, totalizando um novo recorde: 25,638 milhões de pessoas, apontou Adriana Beringuy.

Empregadores

O número de empregadores subiu em 176 mil pessoas em um trimestre. Em relação a setembro de 2020, o total de empregadores é 41 mil superior.

Trabalho doméstico

O País teve um aumento de 400 mil pessoas no trabalho doméstico em um trimestre, alta de 7,8%, para 5,513 milhões de pessoas, contingente 1,004 milhão maior que no ano anterior.

Setor público

O setor público dispensou 286 mil ocupados no trimestre terminado em outubro de 2021 ante o trimestre encerrado em julho. Na comparação com o mesmo trimestre de 2020, foram fechadas 397 mil vagas.