FinançasNotícias

Petróleo fecha sem sinal único, com dúvidas quanto a oferta e demanda

2 Minutos de leitura
Os contratos futuros do petróleo fecharam sem sinal único, após operarem com volatilidade ao longo da sessão. De um lado, relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) elevou a projeção de demanda do óleo em 2022, de outro, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo espera excesso de oferta já em dezembro. Nos EUA, liberação de reservas estratégicas segue em debate.

O petróleo WTI para dezembro caiu 0,15% (US$ 0,12), a US$ 80,76 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para janeiro subiu 0,46% (US$ 0,38), a US$ 82,43 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

Em relatório mensal, publicado hoje, a AIE afirma que o equilíbrio entre oferta e demanda no mercado de petróleo deve melhorar em breve. A expectativa é que a oferta seja ampliada com um aumento de produção em 1,5 milhão de barris por dia (bpd) no restante de 2021. A projeção para demanda em 2021 permaneceu a mesma, em 5,5 milhões de bpd. Para 2022, a agência elevou a previsão em 100 mil bpd, a 3,4 milhões de bpd.

O secretário-geral da Opep, Mohammad Barkindo, por sua vez, disse esperar que um excesso do óleo seja visto no mês que vem e siga em 2022, como reportou a Reuters.

Analista da Rystad Energy, Louise Dyckson observa que a demanda pela commodity se provou ser a variável mais volátil nesse mercado no último um ano e meio. Ela diz que o momento contínuo positivo do óleo está conectado como quão bem os governos têm lidado com os casos de covid-19 no outono do hemisfério norte. Em um mercado apertado, a previsão de trajetória para o petróleo no curto prazo ainda é de alta, disse.

Já Carsten Fritsch, do Commerzbank, afirma que aumento da produção nos EUA certamente ajudaria a aliviar o aperto nesse contexto. Para ele, o presidente dos Estados Unidos, Biden, ainda pode “apelar à indústria nacional” para explorar plenamente seu potencial de produção. No Congresso, o debate é dividido. O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, já pediu para que Biden libere reservas estratégias de petróleo para aliviar o preço da gasolina. Já o líder da maioria na Câmara, Steny Hoyer, discordou e disse acreditar que as reservas devem ser usadas para um colapso emergencial de ofertas, não para controle de preços, como reportou a Reuters.

Hoje, Biden anunciou que sua administração tomará medidas para “proteger a paisagem da Grande Chaco, no noroeste do Novo México, de futuras perfurações e arrendamento de petróleo e gás”, mas não deu detalhes.