EconomiaNotícias

Sindicato de funcionários do BC diz que 1200 já aderiram a movimento por reajuste

3 Minutos de leitura
A mobilização por aumento salarial está esquentando dentro do Banco Central. Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fábio Faiad, 1.200 funcionários sem cargos comissionados ou previstos para substituição já aderiram ao movimento – mais de um terço do total de servidores na ativa (3.500) -, se comprometendo a não assumir funções de comissão.

Ontem, como mostrou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, já no dia 29 de dezembro, começou a rodar dentro do órgão outra lista virtual para entrega de cargos comissionados e comprometimento dos substitutos de não assumirem as funções – cerca de 1.000 funcionários (500 em cargos de chefia e outros 500 substitutos), segundo o sindicato. A entidade prevê divulgar um balanço com as adesões até o fim desta semana.

Hoje, o governo publicou no Diário Oficial da União (DOU) um decreto que remaneja os níveis de funções comissionadas no Banco Central, mas o órgão esclareceu que a medida não está relacionada com a mobilização dos servidores. Segundo a autarquia, é apenas um remanejamento para fortalecer as atividades ligadas ao Pix e ao Open Banking, sem aumento no valor das comissões ou no custo total, previsto no decreto em R$ 4,948 milhões. O decreto informa também o número de 1.248 funções comissionadas no BC, sendo que 1.158 de cargos de direção e assessoramento e 90 de suporte, com custo global de R$ 4,948 milhões.

O sindicato também iniciou ontem uma rodada de reuniões virtuais com os vários setores da autarquia para explicar a mobilização e convencer o maior número possível de pessoas a aderir, no contexto da insatisfação de diversas categorias de servidores federais com o reajuste previsto apenas para policiais em 2022.

“Teremos um documento coletivo com pessoas que vão entregar comissões e substituições eventuais e outra lista de pessoas que não vão assumir em hipótese alguma as comissões para conversar com o presidente Roberto Campos Neto. A ideia é falar que não temos condições de administrar o BC com essa situação de reajuste só para a Polícia Federal e não para o BC”, explica Faiad, do sindicato de funcionários do BC.

Além disso, o Sinal irá aderir às paralisações nacionais aprovadas pelo Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) – a primeira está prevista para dia 18 de janeiro. Segundo Faiad, haverá um ato na frente da sede do BC em Brasília das 10h às 12h no dia 18, além de um protesto virtual no Brasil todo. “Se nada avançar depois da paralisação do dia 18, a ideia é discutir a possibilidade da greve a partir de fevereiro”, frisa Faiad.

Faiad ainda afirmou que o sindicato pediu uma reunião com Campos Neto, para discutir o assunto antes do fim de 2021, mas ele entrou de férias e não quis atendê-los. O Sinal está tentando marcar uma conversa no início deste ano.

Servidores do BC relatam, em condição de anonimato, que o clima é de insatisfação no órgão e desagrado com Campos Neto, que, na avaliação dos funcionários, poderia estar brigando mais pelos interesses da categoria, uma vez que tem entrada no governo Bolsonaro.

A sensação dos funcionários é que o clima de mobilização está esquentando dentro do órgão e que é provável que haja adesão à paralisação do dia 18. Mas alguns servidores relatam que há certa divisão dentro do órgão, com o movimento mais forte entre os servidores mais jovens. A perspectiva é de adesão mais baixa entre os comissionados que já estão há mais tempo dentro do BC.

Segundo o Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco), 1.237 auditores já haviam entregado os cargos até esta segunda-feira, 3, em um total de 7.500.