EconomiaNotícias

BCE/Lane: há razões ‘sólidas’ para esperar que inflação diminua ao longo de 2022

2 Minutos de leitura
O economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Philip Lane, afirmou nesta segunda-feira (8) que há razões “sólidas” para esperar que a inflação diminua na zona do euro ao longo do próximo ano. Em discurso de abertura de uma conferência do BCE sobre mercados monetários, o dirigente disse que os fatores que hoje causam pressões inflacionárias devem se enfraquecer em 2022.

Segundo Lane, a alta de preços é causada por uma combinação entre gargalos de oferta e aumento dos preços de energia. Ele também citou os efeitos de base, já que em 2020 houve forte desaceleração das pressões inflacionárias devido às quarentenas para conter a pandemia de covid-19.

O dirigente afirmou que a recuperação econômica tem sido mais forte do que o esperado, graças ao avanço da vacinação, e que isso leva a uma incompatibilidade “intensa” entre demanda (em alta) e oferta (ainda restrita). Para ele, contudo, a inflação induzida por gargalos na produção tem um componente temporário “inerente”.

“Em particular, as disparidades entre demanda e oferta devem ser atenuadas ao longo do tempo por meio da expansão da capacidade de oferta, junto com alguma normalização dos padrões de demanda

após a reabertura da economia”, argumentou.

Política monetária

Philip Lane também afirmou, no discurso, que seria “contraproducente” apertar a política monetária “na atual conjuntura”. O dirigente disse que a trajetória da inflação de médio prazo ainda permanece abaixo da meta de 2% da instituição.

Por isso, segundo Lane, uma elevação “abrupta” da taxa básica de juros da zona do euro serviria apenas para desacelerar a recuperação econômica e reduzir o emprego. Ele ressaltou que a política monetária afeta a inflação com uma defasagem “considerável”.

“Em particular, um aperto abrupto da política monetária hoje não reduziria as taxas de inflação atualmente elevadas”, afirmou. Segundo o dirigente, os preços devem desacelerar no ano que vem.

De acordo com Lane, o forward guidance do BCE especifica três condições para uma alta dos juros. A primeira é que o Conselho veja a inflação atingir 2% “bem antes do final do seu horizonte de projeção”. A segunda é que a meta seja atingida de forma “duradoura para o resto do horizonte de projeção”. E a terceira é que o BCE julgue que o progresso realizado na inflação subjacente está “suficientemente avançado” para ser consistente com a estabilização dos preços em 2% no médio prazo.