Renda FixaTesouro

Quais as diferenças entre Tesouro Selic, prefixado e IPCA? Entenda!

4 Minutos de leitura

Quando se fala em renda fixa, muitos investidores buscam os títulos públicos como alternativa.
Porém, é preciso entender as diferenças entre Tesouro Selic, IPCA e prefixado para encontrar a
opção mais adequada para os seus objetivos.

Você sabe o que muda em cada aplicação? É bastante comum falar desses investimentos
relacionando-os apenas ao Tesouro Direto. Mas esse é o nome do programa, composto por diversas
opções. Cada título tem características específicas que devem ser avaliadas pelo investidor.

Tem interesse no assunto? Neste conteúdo, você poderá esclarecer as diferenças entre os títulos do
Tesouro Direto. Confira!

O que é e como funciona o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é uma plataforma desenvolvida pelo Governo Federal em parceria com a B3, a
bolsa de valores brasileira. O programa foi lançado em 2002, com o objetivo de trazer uma
alternativa de investimento conhecida e acessível.

Até o surgimento do programa, somente grandes investidores (empresas) podiam fazer esse tipo de
investimento. Então o Tesouro Direto trouxe maior democratização no acesso aos títulos,
permitindo que os cidadãos façam investimentos a partir de R$ 30,00.

Dessa maneira, o Tesouro Direto não é um tipo de investimento, mas o programa utilizado para
viabilizar as aplicações em títulos públicos. Nele, existem diferentes tipos de aplicações
disponibilizadas aos investidores.

São elas:

● Tesouro prefixado;
● Tesouro Selic;
● Tesouro IPCA.

Quais são as diferenças entre Tesouro Selic, IPCA e prefixado?

Para visualizar as diferenças entre os diferentes títulos do Tesouro Direto, é importante avaliar cada
característica individualmente.

A seguir, você aprenderá os principais pontos e as particularidades de cada aplicação.

Segurança

Todos os títulos públicos são garantidos pelo próprio Tesouro Nacional e não há diferença entre os
tipos disponíveis. Eles são considerados as aplicações mais seguras do mercado financeiro, bastante
procurados por quem tem um perfil mais conservador.

Rentabilidade

A rentabilidade é a principal diferença entre os três, pois varia conforme o tipo escolhido. Nos
prefixados, há uma taxa fixa, de modo que o investidor consegue verificar o percentual de juros que
será aplicado. Assim, pode calcular o valor exato que receberá no vencimento.

Já o Tesouro Selic é a opção pós-fixada. Ele acompanha a taxa Selic, por isso não há certeza sobre o
retorno efetivo. Afinal, o índice sofre variações ao longo do tempo e a rentabilidade da aplicação
acompanhará isso.

Por fim, o Tesouro IPCA é híbrido: ele é atrelado ao IPCA, que reflete a inflação, e ainda conta com
um percentual fixo. A vantagem, portanto, é que ele rende sempre acima da inflação — mantendo o
poder de compra e trazendo ganhos reais.

Quanto ao pagamento da rentabilidade, em muitos títulos ela se dá no vencimento ou resgate do
valor. Mas o Tesouro IPCA o prefixado apresentam alternativas com os cupons semestrais. Nesse
caso, o investidor recebe o rendimento a cada 6 meses.

Quem prefere aproveitar os benefícios dos juros compostos, no entanto, pode escolher as opções
sem os cupons semestrais. Assim, o cálculo dos juros em longo prazo pode ser mais benéfico por
incidir em cima do valor total.

Liquidez

O Governo garante a recompra dos títulos públicos, mesmo antes do vencimento. Por causa disso,
eles contam com liquidez diária, possibilitando que o investidor tenha acesso aos valores investidos
quando precisar.

Porém, é preciso ter atenção à marcação a mercado. Ela significa que o valor pago na recompra
acompanha o preço praticado no mercado. O Tesouro IPCA e o prefixado ficam mais expostos a esse
movimento, podendo gerar prejuízos diante do resgate antecipado.

Isso porque os juros fixados são garantidos apenas considerando a data de vencimento. Por outro
lado, o Tesouro Selic sofre menos exposição dessa marcação. Nesse caso, o resgate antecipado não
costuma trazer perdas significativas para o investidor.

Diante disso, as opções prefixadas e híbridas têm maior indicação para quem pode manter o
dinheiro até o vencimento. Já o Tesouro Selic pode ser usado para quem busca liquidez mais alta,
como ao investir a sua reserva de emergência.

Prazo de vencimento

O prazo de vencimento dos títulos varia e é indicado na própria aplicação financeira. Porém, é
possível identificar algumas características conforme o tipo de título.

Veja como funciona:

● Tesouro Selic: apesar de ter um vencimento em médio prazo, a alta liquidez faz com que ele
seja indicado também para objetivos de curto prazo;
● Tesouro prefixado: oferece alternativas com vencimento para médio e longo prazo;
● Tesouro IPCA: indicado para médio e, principalmente, longo prazo, com algumas aplicações
com vencimentos previstos para mais de 20 anos.

Tributação

Os títulos públicos são tributados, não existindo diferença entre as aplicações do Tesouro Direto.
Nesse caso, é aplicada uma tabela regressiva, que segue o prazo do investimento. Quanto maior o
período, menor a tributação.

Nos investimentos mais curtos (com até 180 dias), o imposto é de 22,5% do rendimento. Porém, ele
pode ser reduzido gradativamente, chegando a 15% para as aplicações superiores a 720 dias.

Qual é a melhor alternativa para investir no Tesouro Direto?

Depois de aprender as diferenças entre os títulos públicos do Tesouro Direto, é normal se perguntar
em qual investir. A melhor alternativa depende do investidor e dos objetivos com a aplicação
financeira.

Os principais pontos que devem ser avaliados, nesse caso, são: liquidez, rentabilidade e prazo. Se
você procura uma opção de curto prazo, o Tesouro Selic pode ser ideal, já que os demais têm prazos
mais longos.

Contudo, se a ideia é a segurança financeira de acompanhar a inflação e, ainda, ter ganho real, o
IPCA costuma ser mais procurado. Dependendo das análises de mercado e do prazo, o prefixado
pode ser considerado.

Dessa forma, cabe ao investidor avaliar as características de cada aplicação para entender qual se
encaixa em seus objetivos. Também é possível montar uma carteira diversificada, que pode contar
com mais de um título público, se for do seu interesse.

Agora você já sabe quais são as diferenças entre o Tesouro Selic, IPCA e prefixado. Então avalie o seu
portfólio e cada título para entender se eles são adequados para os seus objetivos. Desse modo, é
possível escolher a melhor opção.

Se você gostou do conteúdo e quer mais dicas sobre investimentos, aprenda agora mesmo como
diversificar a sua carteira corretamente!

Posts relacionados
Renda FixaSelic

Renda fixa e a Selic: entenda o impacto da taxa de juros nos investimentos

4 Minutos de leitura
Você sabe qual é a relação da taxa Selic nos investimentos de renda fixa? As mudanças no cenário econômico podem afetar esse…
Renda FixaGuias de Investimentos

Guia completo: entenda como funciona a renda fixa

17 Minutos de leitura
As aplicações em renda fixa estão entre as preferidas dos brasileiros — principalmente entre aqueles com perfil de investimentos conservador ou ainda…
Renda FixaRenda Variável

Renda fixa ou renda variável: o que escolher em 2021?

4 Minutos de leitura
Ao planejar investimentos, é comum se deparar com o dilema sobre qual opção escolher: renda fixa ou renda variável? Cada modalidade conta…