Educação FinanceiraSelic

Relação entre Taxa Selic e Inflação (IPCA)

5 Minutos de leitura

Todos os dias, é possível ouvir nos noticiários sobre os índices e taxas percentuais que incidem na economia brasileira, como a Taxa Selic, o IPCA e até mesmo a tão temida inflação.

Ainda assim, você já parou para compreender profundamente sobre o que são esses aspectos e como esta relação pode afetar de maneira direta no seu bolso? Se a resposta for “não”, está na hora de mudar esta realidade.

Confira o nosso artigo e descubra tudo o que precisa saber para investir corretamente. Afinal, quando se trata de dinheiro, é indispensável estar bem informado (a).

Taxa Selic: o que é?

A Taxa Selic é uma estratégia de política financeira que o país adotou para ganhar mais estabilidade econômica, evitando que os preços saiam de controle e desvalorizem a moeda nacional.

Em especial porque, quanto mais recursos disponíveis, maior é o consumo. E, quanto maior o consumo, maior é a demanda – o que incentiva os preços a subirem de forma exacerbada.

Só que, quando isso ocorre, a Selic pode ficar muito elevada. Por esta razão, ela vai na mão contrária a essa lógica, a fim de controlar o volume dos recursos disponíveis e incentivar a circulação de dinheiro no país.

Assim, sua tática é aquecer a economia com o aumento dos preços. Só que, consequentemente, com essa taxa mais alta, os juros também aumentam. E, claro, o mesmo acontece com os créditos para consumidores e empresas – diminuindo o consumo desenfreado.

Logo, é muito próxima a relação entre a Taxa Selic e a Inflação. A princípio devemos saber que a Taxa Selic também é conhecida como taxa básica de juros, ou seja, é ela quem influencia e muito o nosso cotidiano e a economia brasileira.

O COPOM (Comitê de Política Monetária) tem sempre o desafio de estabelecer, de tempos em tempos, a taxa de equilíbrio que permite a economia “respirar de forma leve”.

No entanto, quando há um desequilíbrio na Taxa Selic, este fato tende a provocar ou um esfriamento demais (desaceleração) ou um aquecimento demais (aceleração) na economia brasileira. A inflação é exatamente isso.

Qual é a forma de medir a inflação?

A forma oficial de medir a inflação é por meio do IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo), índice realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) – órgão do governo que acompanha periodicamente o valor de uma cesta de produtos. Esta cesta de produtos não é necessariamente a cesta básica de alimentos, mas inclui também serviços prestados, conta de energia, ou seja, uma série de produtos que estão disponíveis no próprio site do IBGE.

O IPCA tem o porquê de ser relevante, pois é o indicador mais amplo da evolução dos preços, medindo a inflação no Brasil. Muitos dos investimentos que fazemos estão atrelados a esse índice. Teríamos, por exemplo, títulos públicos, como o Tesouro IPCA, vinculados à variação da inflação, além de uma taxa quando se contrata no momento do investimento.

Neste caso, se fizermos um investimento de longo prazo, a grande preocupação não deve ser com a Taxa Selic, mas a inflação via IPCA, já que a única coisa que poderia tirar o seu poder de compra no futuro é a própria inflação.

O Tesouro IPCA, por exemplo, irá acumular ao longo de sua história de investimento, o valor que foi investido mais a rentabilidade acima da inflação. Caso a inflação dispare, seu ganho também dispara. Porém se a inflação for muito baixa, seus ganhos também serão baixos.

Na prática, para quem faz investimentos de longo prazo ou para quem faz um planejamento para aposentadoria, o Tesouro IPCA é uma boa referência.

Tesouro IPCA: Entenda melhor

O Tesouro IPCA costuma ser utilizado para os investimentos a longo prazo. Ele está contido no Tesouro Direto, portanto, é um dos títulos de renda fixa que paga um juro anual somado à variação da inflação – o IPCA.

Esse tipo de título permite que o investidor se proteja da inflação com total segurança. No entanto, ao colocar seu dinheiro no investimento, você não terá certeza quanto irá receber no vencimento.

Ainda assim, se manter a aplicação conforme a data correta de rendimento, você conseguirá ter uma boa noção, somando o tempo de aplicação mais as taxas após o desconto do imposto de renda. Sem nenhuma surpresa, como prometido.

Caso você precise vender o seu título antes do prazo, saiba que o valor também ficará sujeito ao preço de mercado. Ou seja, dependendo do momento que a economia estará no dia, o valor de retirada poderá ser alterado.

Apesar disso, se no momento você já possui o título e pensa em negociá-lo, é possível calcular quanto ele está valendo no momento, através de sites que contam com uma calculadora de renda fixa. Basta colocar as informações básicas, como a data a taxa da compra e o título.

Ademais, se o seu objetivo é ganhar lucros com esse título, vale a pena seguir algumas informações primordiais. Primeiro, será necessário se cadastrar em uma corretora ou banco de investimento. Isso permitirá que você tenha acesso a uma instituição própria para isso.

Inclusive, escolha com sabedoria a instituição que abrirá as portas para esse novo mundo financeiro. E, claro, procure por uma com menores taxas, que dê assistência aos seus passos e que seja transparente.

A relação entre o Tesouro IPCA e a Taxa Selic

Agora que você já sabe um pouco mais sobre ambos os conceitos, chegou a hora de solucionar possíveis dúvidas acerca destes títulos: o Tesouro IPCA e a Taxa Selic.

Para um entendimento mais amplo, é preciso ter em mente que os dois são muito seguros e protegidos pelo Tesouro Nacional. Sendo assim, eles só “quebram” caso todos os outros investimentos do país também passem por dificuldades. E, acredite, até isso acontecer, você já terá retirado o seu dinheiro há tempos.

Além disso, apesar de estarem envolvidos na economia e no setor de investimento, eles também possuem liquidez diária. Assim, isso significa que, dependendo da sua escolha, o valor a ser creditado poderá ser acompanhado ao longo de todo o período.

No mais, partindo para as diferenças, é possível analisar pontos como:

– Oscilações: o rendimento do Selic é atrelado à taxa básica de juros estabelecida na economia brasileira. Por este motivo, ele acompanha o mercado e não sofre muitas oscilações. O Tesouro IPCA, por sua vez, tem uma taxa pré-fixada que varia, tornando as mudanças de preços mais passíveis.

– Médio a longo prazo: o Tesouro IPCA é o ideal para aqueles que buscam investimento de médio e/ou de longo prazo. Enquanto o Selic é mais voltado para reservas de emergência.

– Volatilidade: o Tesouro IPCA tem volatilidade baixa, ao passo em que o Tesouro Selic possui volatilidade alta.

– Vencimento: o Tesouro IPCA tem diversas datas de vencimento do título, desde 2026 a 2055. Por outro lado, o Tesouro Selic só possui duas: 2024 e 2027.

Uma vez que todos estes pontos estejam explicados, a relação entre eles é simples. Independente de suas similaridades e contrapontos, o principal é considerar que, por ser usada para controlar a inflação, a Taxa Selic afeta diretamente o IPCA.

Afinal, a inflação nada mais é do que o aumento (seja ele generalizado ou contínuo) dos preços. E, claro, o IPCA reflete essa variação, sendo uma espécie de medidor sobre como este fator está do país.

Diante deste cenário, quando a Selic aumenta, as principais operações financeiras e o acesso ao dinheiro também sentem o impacto. E quando ela diminui, o consumidor para de fazer estes gastos exorbitantes. Logo, entra o IPCA para mensurar tudo isso.

Se interessou e quer saber mais a respeito?

Se o artigo contribuiu para instigar ainda mais a sua vontade de investir, conheça a Vai Investir. Nossa empresa possui uma consultoria financeira personalizada que difunde educação financeira para pessoas e famílias.

Siga as nossas redes sociais e conte com o auxílio de um especialista da Vai Investir. Esta é uma chance surpreendente de analisar suas finanças e injetar seu dinheiro no que realmente importa.

Quer saber mais?
Veja aqui qual a relação entre Selic e CDI?

Posts relacionados
Análise & OpiniãoSelic

Copom eleva a Selic para 4,25%. Como ficam os investimentos?

10 Minutos de leitura
O Copom (Comitê de Política Monetária) voltou a elevar a taxa Selic (juros básicos) pela terceira vez consecutiva em 0,75 ponto percentual,…
Educação Financeira

Como investir 100 mil reais? Descubra!

5 Minutos de leitura
Quem tem 100 mil reais e quer fazer alocações no mercado financeiro costuma se perguntar como investir esse valor. Entender como tomar…
Educação FinanceiraRenda Variável

Criptomoedas: o que são, como funcionam e como investir?

5 Minutos de leitura
Muitos investidores já ouviram falar da possibilidade de investir em criptomoedas, mas não sabem como esse mercado funciona. Com a ascensão dos…