EmpresasNotícias

EUA: vendas de aviões da Boeing saltam, mas entregas ficam atrás da rival Airbus

2 Minutos de leitura

A Boeing terminou 2021 muito atrás da rival europeia Airbus nas entregas de novas aeronaves, mas as vendas se recuperaram após dois anos sombrios causados pelos acidentes com o 737 Max e pela pandemia. A Boeing disse nesta terça-feira (11) que entregou 38 aviões comerciais em dezembro e 340 para todo o ano de 2021, quase o dobro do total de 2020. No entanto, a Airbus informou nesta segunda-feira (10) que fez 611 entregas em 2021, superando a Boeing pelo terceiro ano consecutivo.

A Boeing foi prejudicada por falhas de produção que impediram os embarques de seu 787 Dreamliner durante a maior parte de 2021. As entregas são maiores do que os direitos de se gabar – são uma importante fonte de dinheiro para as empresas porque as companhias aéreas normalmente pagam uma grande parte do preço de compra quando tomam posse de um novo avião.

A Boeing também disse que os pedidos saltaram para o nível mais alto desde 2018, antes que o aterramento do 737 Max e a pandemia fizessem com que as vendas caíssem por dois anos. A empresa de Chicago relatou pedidos de desembarque para 80 planos em dezembro e 909 para o ano inteiro. Depois de subtrair os cancelamentos, no entanto, a Boeing registrou 479 pedidos líquidos, um pouco atrás do total de 507 da Airbus.

A Boeing relatou outro número de 535 pedidos em 2021, incluindo 56 vendas que antes considerava improváveis de serem concluídas, mas agora visualiza com mais certeza. No entanto, um porta-voz disse que alguns desses pedidos foram feitos em anos anteriores. Como os atrasos da Boeing e da Airbus são tão grandes, as companhias aéreas geralmente precisam esperar vários anos para obter todos os aviões que encomendam.

Não há dúvida de que a competição entre os dois grandes fabricantes de aeronaves do mundo esquentou depois de ser desequilibrada a favor da Airbus por um tempo. A Boeing marcou um ponto na semana passada quando conseguiu um grande pedido da Allegiant Air, que atualmente possui uma frota totalmente Airbus.

No mês passado, foi a Airbus que invadiu os clientes da Boeing, ganhando compromissos para novos pedidos da Air France-KLM e da Qantas da Austrália. O ritmo acelerado de pedidos em ambas as empresas indica que as companhias aéreas estão confiantes na forte demanda e acreditam que a pandemia diminuirá – ou os viajantes decidirão conviver com o risco da covid-19 e voltarão a voar de qualquer maneira. Nem a Boeing nem a Airbus forneceram informações sobre como os pedidos e entregas atuais afetarão seus resultados. Fonte: Associated Press.