EmpresasNotícias

Iguatemi tem prejuízo líquido de R$ 57,9 milhões no 3º trimestre

1 Minutos de leitura

A operadora de shoppings Iguatemi teve prejuízo líquido de R$ 57,9 milhões no terceiro trimestre de 2021. O montante representa uma reversão do lucro de R$ 61,5 milhões no mesmo período de 2020.

A piora é resultado da queda das ações da Infracommerce, empresa em que a Iguatemi detém participação. O impacto no balanço não teve ligação direta com as operações da Iguatemi, nem provocou consumo de caixa. Excluindo o efeito desse item, a Iguatemi atingiria um lucro líquido de cerca de R$ 32 milhões.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 139,1 milhões, sem contar o efeito da linearização dos aluguéis. Isso representa alta de 88,3% na comparação anual. Considerando a linearização, o Ebitda atingiu R$ 153,5 milhões, avanço de 14,5%.

A receita operacional líquida totalizou R$ 212,2 milhões, crescimento de 16,5%.

A dívida total da companhia chegou a R$ 3,29 bilhões no fim do terceiro trimestre, 6,9% acima do segundo trimestre deste ano. A disponibilidade de caixa encontrava-se em R$ 1,8 bilhão, 1,9% superior ao trimestre imediatamente anterior, levando a uma dívida líquida de R$ 1,48 bilhão e uma alavancagem (dívida líquida/Ebitda) de 2,82x, ante 2,58x.

Indicadores operacionais

Entre julho e setembro deste ano, os shoppings da Iguatemi funcionaram com 99,1% da sua capacidade.

As vendas totais nos shoppings da Iguatemi foram de R$ 3,3 bilhões no terceiro trimestre de 2021, crescimento de 82,7% em relação ao mesmo período de 2020 – quando boa parte dos empreendimentos estavam fechados.

Já na comparação com o mesmo trimestre de 2019 – período pré-pandemia – houve estabilidade. E se excluídos os shoppings vendidos no ano passado (Caxias e Florianópolis), o crescimento foi de 4,4% – a melhora é reflexo do processo de imunização da população e da retomada das atividades do varejo.

As vendas nas mesmas lojas subiram 7,8% ante o mesmo período de 2019, enquanto os alugueis nas mesmas lojas estão 22,9% acima. A inadimplência dos lojistas fechou o trimestre em 2,1%, enquanto a ocupação foi a 90,7%.