EconomiaNotícias

VW firma acordo com o BNDES para ter apoio em sua aposta no biocombustível

1 Minutos de leitura
A Volkswagen e o BNDES firmaram acordo de cooperação de onde podem sair novas fontes de financiamento aos projetos da montadora em carros movidos a biocombustível, como o etanol. Além de apoio financeiro ao desenvolvimento de soluções de mobilidade consideradas sustentáveis, o banco de fomento, entre as possibilidades previstas no escopo da parceria, pode trabalhar na estruturação de instrumentos financeiros para captação de recursos no mercado de capitais.

Em entrevista ao Broadcast, Bruno Aranha, diretor de crédito produtivo e socioambiental do BNDES, disse que o memorando assinado com a Volkswagen é o primeiro do tipo na indústria automotiva e está inserido na agenda de descarbonização do banco de desenvolvimento.

“O banco tem expertise para desenvolver rotas de desenvolvimento de energia limpa. Da nossa parte, colocaremos conhecimento técnico para elaborar políticas públicas de descarbonização. Podemos trabalhar em instrumentos financeiros reembolsáveis para o desenvolvimento das tecnologias, bem como em instrumentos de mercado de capitais”, explicou o diretor do BNDES.

Segundo o presidente da Volkswagen na América Latina, Pablo Di Si, os projetos da montadora estão alinhados com os pilares do BNDES de sustentabilidade ambiental e desenvolvimento econômico e social. “Fico feliz que o Brasil tenha política pública baseada em energia renovável. Estamos falando em gerar conhecimento que vai ficar no Brasil e gerar emprego porque as soluções que vamos desenvolver não serão apenas para a produção de motores flex no Brasil. A intenção é também exportar tecnologias”, afirma Pablo Di Si.

O Brasil é um centro da Volkswagen na pesquisa e desenvolvimento de sistemas de propulsão de automóveis que utilizam etanol e outros biocombustíveis como energia.

O entendimento da montadora é de que a transição rumo ao carro elétrico não vai acontecer na mesma velocidade em todas as partes do mundo, de modo que motores convencionais a combustão interna seguirão sendo produzidos em mercados onde a substituição de tecnologia levará mais tempo.

O papel do Brasil, então, será de desenvolver a esses mercados, que em grande parte usam gasolina como fonte de energia, soluções mais limpas, complementando assim a evolução gradual da produção de veículos elétricos ou híbridos dentro do grupo automotivo alemão.