Economia

Boletim Focus: confira as projeções do mercado

2 Minutos de leitura
business 1031754 1280 Boletim Focus: confira as projeções do mercado

O Banco Central divulgou, nesta segunda-feira, o Boletim Focus da semana, com as projeções de mercado para a economia brasileira. Confira abaixo quais são as expectativas.

A projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) conta com mais uma semana de declive no percentual. Segundo consta no relatório, a inflação saiu de 10,05% na semana passada para a expectativa de 10,04% esta semana. Se analisarmos, em 2022, os especialistas acreditam que a inflação chegará a 5,03%, porcentagem levemente maior do que a divulgada no relatório passado.

A taxa básica de juros (Selic) também foi avaliada. Ela terminou 2021 em 9,25%, já para o próximo ano, a Selic manteve a projeção nos 11,50% ao ano.

WhatsApp Image 2021 12 20 at 13.54.34 Boletim Focus: confira as projeções do mercado

Confira outros dados importantes divulgados no Boletim Focus desta semana:

PIB: em retração pela décima semana consecutiva, chega em 4,58%;
IPCA: a projeção é de 10,04%;
DÓLAR: a previsão do câmbio é de R$ 5,60.

Leia também | Os principais índices de inflação que todo investidor deve conhecer.

O que dizem os especialistas da Valor

De acordo com os especialistas da Valor Investimentos, a respeito do Boletim Focus, o cenário de cautela e o baixo crescimento do PIB brasileiro revelam projeções não tanto animadoras para 2022.

“O boletim confirmou que a taxa de crescimento vai ser mais fraca, com uma inflação em um patamar visto apenas em 2015. Podemos crer que o Brasil vai continuar em um ritmo praticamente nulo no ano que vem, ou seja, um ano fraco e pouco aquecido economicamente”, disse Charo Alves assessor e especialista da mesa de Renda Variável, da Valor Investimentos.

No mesmo tom, Vitor Pacífico assessor de investimentos da Valor (Brasília) afirma que, “a alta da projeção da inflação requer um pouco mais de cautela nesse momento, com um olhar voltado para os investimentos em renda fixa, principalmente os indexados à inflação, que deve permanecer em crescimento no próximo ano”. Vitor Pacífico assessor de investimentos da Valor (Brasília).

Expectativas de mercado

Segundo o Banco Central, as famílias e as empresas tomam suas decisões com base na situação atual e no que acreditam que pode acontecer. Isso é muito importante para o dia a dia do brasileiro. Por exemplo:

Quanto será cobrado pelo aluguel em sua renovação?
Nos próximos meses, o preço dos alimentos cairá ou não?
A mensalidade da escola particular será reajustada?
O custo dos financiamentos irá diminuir ou aumentar?

Nesse sentido, para responder a essas dúvidas, é importante que a sociedade tenha conhecimento do que se espera na economia. Grandes agentes de mercado, como bancos, consultorias, corretoras e distribuidoras possuem em suas instituições áreas dedicadas à pesquisa macroeconômica, que dentre outras coisas elaboram projeções sobre o cenário que esperam para a economia. A essas projeções chamamos expectativas econômicas.

É a partir das expectativas que as famílias tomam decisões de gastar ou poupar, que as empresas resolvem investir ou não e que os mercados, de uma forma geral, definem seus preços.

O monitoramento sistemático das expectativas que o mercado tem sobre preços e atividade econômica é de grande relevância para as decisões de política monetária. Para tanto, o BC coleta diariamente projeções de cerca de 140 bancos, gestores de recursos e outras instituições (empresas do setor real, distribuidoras, corretoras, consultorias etc.) e publica semanalmente o Relatório Focus, um resumo das estatísticas calculadas com base nas informações prestadas nos 30 dias anteriores à data a que se refere.

Além de serem utilizadas pelo Banco Central para as decisões de política monetária, as expectativas econômicas da Pesquisa Focus são úteis para que empresas e cidadãos possam planejar suas ações de curto, médio e longo prazos.

expectativa do mercado Boletim Focus: confira as projeções do mercado

×
CartaAnálise & Opinião

Carta aos Investidores - Outubro 2021