FinançasNotícias

Moedas globais: dólar opera em baixa, em sessão com apetite de risco com ômicron

2 Minutos de leitura
O dólar operou em baixa nesta quarta, 22, ante a maioria das moedas, em sessão marcada por um maior apetite por ativos de risco no mercado. Além da variante ômicron do coronavírus, que segue sendo avaliada, assim como potenciais vacinas e tratamentos para a covid-19, a divulgação de indicadores, especialmente os PIBs nos Estados Unidos e no Reino Unido tiveram atenção durante o dia.

O índice DXY, que mede o dólar ante seis rivais recuou 0,43%, a 96,076. No fim da tarde em Nova York, o euro avançava a US$ 1,1335 e a libra tinha alta a 1,3360, enquanto do dólar subia a 114,21 ienes.

Hoje, o índice de confiança do consumidor americano subiu de 111,9 em novembro para 115,8 em dezembro, acima da previsão de analistas, que projetavam 110,0. Outro dado que superou previsões foi o PIB dos EUA, que registrou crescimento de 2,3% no terceiro trimestre de 2021, acima da leitura anterior de 2,1%. Já o avanço da economia britânica no período foi de 6,8% ao ano, ante alta de 23,6% no segundo trimestre, seguindo a mesma base comparativa. Para a Capital Economics, a desaceleração do PIB do Reino Unido deve persistir no quarto trimestre de 2021 e nos três primeiros meses de 2022, uma vez que já sinais de que a ômicron atingiu a economia local.

A Western Union pontua que “os participantes do mercado estão preferindo moedas e classes de ativos mais arriscadas, após uma queda no sentimento de risco na segunda-feira”. “A razão para a alta no apetite é difícil de identificar, dadas as restrições mais rígidas que foram anunciadas em toda a Europa para conter a covid-19 e as tensões geopolíticas aumentando entre a Rússia e o Ocidente”, reconhece, lembrando que as condições de mercado voláteis podem continuar à medida que avançamos para as semanas menos líquidas do ano.

Em 2022, a dinâmica da pandemia e a divergência global dos bancos centrais conduzirão as avaliações das moedas, aponta a Western Union. O combate à inflação e ao vírus é assimétrico e não está sendo travado em todas as regiões, o que criará divergências regionais que beneficiarão algumas moedas em detrimento de outras, avalia. Hoje, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, destacou a disseminação da ômicron como uma fonte de incerteza no curto prazo, ainda que a perspectiva econômica para a zona do euro nos próximos anos “pareça forte”. Segundo Lagarde, a inflação na região vai desacelerar a partir de 2022, ficando em 2023 e 2024 ligeiramente abaixo da meta de 2% no médio prazo da instituição.