FinançasNotícias

Moedas Globais: libra e euro se enfraquecem ante dólar, após BoE e indicadores

2 Minutos de leitura
O dólar não seguiu direção única entre moedas rivais nesta quinta-feira, mas o índice DXY, que mede a variação da divisa norte-americana ante uma cesta de seis pares fortes, terminou a sessão em alta impulsionada pela fraqueza da libra e do euro. Enquanto a moeda britânica reagiu à decisão do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) de manter a taxa de juros em 0,10% ao ano no Reino Unido, a divisa comum repercutiu indicadores macroeconômicos na zona do euro.

O DXY fechou em alta de 0,51%, aos 94,347 pontos. No fim da tarde em Nova York, o euro depreciava a US$ 1,1558 e a libra caía a US$ 1,3504, enquanto o dólar cedia a 113,73 ienes.

O BoE adotou postura dovish hoje ao não elevar a sua chamada taxa bancária, como esperavam os mercados. A decisão ressaltou o descompasso entre as expectativas de investidores e os planos dos bancos centrais de países desenvolvidos, como mostrou reportagem do Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. A entidade ainda cortou projeções para o crescimento da economia britânica e aumentou as de inflação.

Mas mesmo tendo mantido os juros básicos esse mês, o presidente do BoE, Andrew Bailey, disse que uma elevação em breve será necessária para conter a alta inflação no país. Ele sinalizou, porém, que a subida das taxas não ocorrerá de forma agressiva. A decisão do BC britânico e os comentários de Bailey levaram a libra ao menor nível ante o dólar em um mês, segundo o analista Joe Manimbo, do Western Union.

Enquanto isso, o euro se enfraqueceu diante de indicadores da zona do euro que preocuparam investidores. O principal deles foi o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês), que subiu 16% ao ano em setembro passado. Já o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto do bloco caiu a 54,2 na leitura final de outubro, abaixo da prévia.

Já o PMI composto alemão recuou a 52 no mesmo mês, confirmando a primeira estimativa, e as encomendas à indústria do país subiram 1,3% entre agosto e setembro, em alta menor que o esperado.

Do outro lado do Atlântico, os EUA registraram queda nos pedidos de auxílio-desemprego na semana passada a 269 mil, 6 mil a menos que o previsto. Já o déficit da balança comercial da maior potência global subiu 11% em setembro, a US$ 80,9 bilhões. Amanhã será revelado o relatório de empregos americano de outubro, que deve mostrar criação de 400 mil empregos no mês, segundo a mediana das previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast.