Análise & Opinião

Aquarela política não produzirá obra-prima

1 Minutos de leitura

Por Thiago Goulart

Das distintas colorações partidárias, as tonalidades que despontam no quadro político pouco dialogam. Das tintas encontradas na palheta destacam-se o intenso vermelho e o verde-oliva. O próprio artista está confuso em utilizá-las. Seu gênio criador parece estar travado, sem disposição suficiente para, num rompante, atacar de forma catártica os instrumentos pictóricos na tela.

O pintor sabe que naquele período ou momento, às vésperas da grande exposição, não produzirá uma obra-prima. No entanto, esforça-se para, ao menos, livrar-se do purgatório existencial dos dias precedentes ao gran finale.

Diante do espectro político polarizado saíram à frente os dois candidatos mais rejeitados nas eleições presidenciais. Nesse caso, a política radicalizada retroalimentou os dois postulantes. Agora, a corrida presidencial sobe para outro patamar.

Segundo turno é uma nova eleição. No entanto, Jair Bolsonaro (PSL) demonstrou resiliência real nas urnas, principalmente a consolidação do voto antipetista. Fernando Haddad (PT), por outro flanco, terá de recompor e restaurar os caminhos e pontes deteriorados à esquerda.

A campanha do primeiro turno não foi profícua para o debate dos programas políticos e econômicos. Importa lembrar que parte da causa se encontra no atentado à facada a Bolsonaro. Nesse caso, o segundo turno desponta como oportunidade dos candidatos explicarem de forma clara e menos obtusa o que pretendem para o Brasil: questão fiscal e desenvolvimento de setor produtivo, por exemplo.

Outro fator importante a ser considerado pelos candidatos será a conquista dos eleitores moderados, ou seja, o tradicional apoiador de um centro político que foi arrasado nas urnas.

Apesar das mídias e redes digitais terem sido um fator de impulsionamento das duas candidaturas, o tempo de propaganda eleitoral será igualdado. Se Bolsonaro não obteve o êxito esperado nos rincões da região nordeste, reduto longevo petista, agora poderá ter, via TV.

A conquista dos eleitores moderados, guinada ao centro, composição de alianças e plano econômico menos equivocado serão os dispositivos necessários para o debate. Às vésperas do gran finale reserva-se à expectativa de qual será a tinta mais adequada ao artista para compor a tela, além de sua habilidade para seduzir o público.

 


Posts relacionados
Análise & Opinião

12 oportunidades para os investidores

12 Minutos de leitura
Fala pessoal, hoje vou trazer oportunidades para investidores! Desde a semana passada muita coisa tem acontecido. Espero, em breve, poder compartilhar com…
Análise & OpiniãoEducação Financeira

Praticar tênis é uma aula de investimento

10 Minutos de leitura
Sempre gostei de praticar esportes e, de certa forma, sempre me identifiquei ora mais, ora menos com alguns perfis de determinados esportistas….
Análise & Opinião

A maior habilidade do século 21: autoconhecimento

7 Minutos de leitura
Um dos caminhos mais profundos para viver uma vida equilibrada tem sido encontrar a habilidade do autoconhecimento. A capacidade de refletir sobre…

Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email: