Aprenda a Investir

Bem-estar financeiro: saiba identificar as armadilhas que distanciam você desse objetivo

4 Minutos de leitura
Bem estar financeiro saiba identificar as armadilhas que distanciam voce desse objetivo Bem-estar financeiro: saiba identificar as armadilhas que distanciam você desse objetivo

Saber cuidar das finanças e utilizar com consciência os recursos materiais pode ser um desafio para muitas pessoas. Essa dificuldade gera consequências econômicas e, por vezes, também emocionais. Você já parou para pensar sobre o seu bem-estar financeiro?

O bem-estar relacionado ao dinheiro não significa ter uma grande quantia à disposição para usar como quiser. O conceito está mais relacionado à tranquilidade nas finanças e capacidade de se organizar para conquistar seus desejos.

Deseja saber mais sobre esse tema? Continue a leitura para entender o papel da educação financeira no seu bem-estar financeiro e saiba como identificar armadilhas que podem distanciar você desse caminho!

Como é o cenário da educação financeira no Brasil?

Para entender como é o cenário da educação financeira no Brasil é preciso compreender o significado desse conceito. Trata-se de um processo em que as pessoas e as sociedades desenvolvem seu entendimento sobre o universo das finanças.

A partir dessas orientações, elas adquirem os saberes necessários para a tomada de decisão consciente, considerando os riscos e as oportunidades relacionadas ao dinheiro. Com isso, podem contribuir para o seu bem-estar e para construção do futuro.

Infelizmente, o Brasil não tem uma tradição de promoção da educação financeira. Os aprendizados desse campo, em geral, são construídos pelas próprias experiências — muitas vezes, baseadas em tentativa e erro.

Nesse sentido, é frequente que as pessoas comecem a lidar com o dinheiro apenas na idade adulta, enquanto o mais interessante seria uma compreensão desde cedo. Os resultados da falta de educação financeira não são bons: o endividamento é um problema marcante no país.

Segundo o levantamento do Serasa sobre as relações dos brasileiros com dívidas, em outubro de 2021 o Brasil tinha 63,4 milhões de cidadãos inadimplentes. O programa Serasa Limpa Nome registrou R$ 3,21 bilhões em descontos em 2021 até o mês da pesquisa.

Mesmo com o avanço nas discussões e iniciativas de educação financeira, ainda há muito a ser desenvolvido. A boa notícia é que as pessoas podem procurar desenvolver seus conhecimentos em qualquer fase da vida para alcançar o bem-estar nas finanças.

Qual a importância de pensar no bem-estar financeiro?

Como vimos, a educação financeira abrange os conhecimentos necessários para utilizar o dinheiro de forma consciente. Quando isso não acontece, é frequente que surjam problemas como descontrole, endividamento e dificuldade para lidar com as contas básicas.

Além dos efeitos imediatos da falta de organização com o orçamento pessoal, também existem consequências no futuro. Por exemplo, quem não tem uma reserva de emergência, fica mais vulnerável a problemas diante de imprevistos.

Assim, as finanças ficam comprometidas em situações que fogem do controle — como perda de emprego, problemas de saúde, reparos em casa ou em equipamentos de trabalho etc. Nesses momentos, o mais comum é fazer dívidas e lidar com os juros, as multas e outros custos extras.

Também é relevante mencionar que desconsiderar o bem-estar financeiro priva você de conquistas importantes. Os sonhos e o conforto ficam em segundo plano. Afinal, o orçamento está sempre no limite — ou é insuficiente para os custos básicos do mês.

Em muitos casos, o desequilíbrio vem por gastos que nem eram importantes em sua vida. Alguns exemplos são compras de itens que você nunca usa, erros cometidos por fazer contabilidade mental e demais escolhas ruins ocasionadas por falta de planejamento ou de informações adequadas.

Desse modo, nem sempre para ter mais bem-estar financeiro é preciso aumentar o salário. Em muitos casos, aprender a utilizar melhor a renda que se tem é suficiente para ver o dinheiro sobrar e direcioná-lo ao que realmente é importante para você.

Quais as principais armadilhas que afastam você do bem-estar financeiro?

O aspecto psicológico é muito importante quando se trata da relação com o dinheiro. Nesse sentido, existem armadilhas que geram frustração e impedem você de alcançar os seus propósitos.

Conheça as principais delas!

“Deveria ter começado antes”

Desenvolver a educação financeira desde cedo é uma forma de obter melhores resultados. Mas isso não significa que não seja possível aprender o que você precisa depois de adulto. Lembre-se: você não pode mudar o passado, mas pode planejar diferente.

Ao começar a conhecer mais sobre o tema, é comum ter a sensação de arrependimento observando os erros cometidos. Porém, esses equívocos podem se tornar lições para fazer escolhas melhores no presente, beneficiando o futuro.

“Nunca vou alcançar meus objetivos”

Um dos pilares da organização financeira é definir os objetivos de forma clara. Eles precisam ser realistas para que não se tornem uma armadilha. A sensação de que nunca será possível alcançar os desejos pode estar relacionada a uma dificuldade de considerar o tempo necessário.

Perceba que o problema não é ter grandes metas — por exemplo, comprar uma casa ou alcançar a independência financeira. O entrave é esperar resultados imediatos ou sem os esforços necessários, enquanto todas as conquistas demandam um tempo e dedicação para a concretização.

 “Perdi oportunidades”

Ao começar a investir você poderá ver seu dinheiro rentabilidade. Nesse momento, é comum ter a sensação de que perdeu oportunidades anteriores que poderiam ter trazido ótimos resultados. Nesse caso, foque no agora e procure não gastar a sua energia com o que foge do seu controle.

Como conquistar o equilíbrio nas suas finanças hoje?

Agora que você entende mais sobre o bem-estar financeiro, já tem ótimos elementos para começar a equilibrar o seu orçamento. Tenha em mente que nunca é tarde demais. Portanto, agora é um bom momento para começar a realizar as mudanças.

Para isso, é importante fazer um planejamento financeiro que considere sua renda e receita, identificando formas de ter mais fluxo de dinheiro livre. Se tiver dívidas, por exemplo, vale começar por elas para reduzir as saídas.

Uma dica fundamental para diminuir as pendências é fugir dos parcelamentos. Se desejar fazer compras com valores maiores, prefira juntar o montante e pagar à vista. Assim, as parcelas acumuladas começam a se reduzir e você ganha mais liberdade para movimentar o seu dinheiro.

Considere também começar a investir regularmente. Esse é um passo importante para formar um patrimônio e impulsionar os resultados com os rendimentos. O mercado financeiro conta com alternativas para diferentes perfis e objetivos.

Como você viu, o bem-estar financeiro é um conceito bastante amplo e pode ser desenvolvido por todos. Para isso, é importante se empenhar nessa missão e manter o foco no que é prioridade em sua vida, fugindo das armadilhas e alcançando maior tranquilidade no futuro.

Quer aprender como investir de forma consciente e assertiva? Entre em contato com a Valor Investimentos e conheça o serviço de assessoria!

105 posts

Sobre o autor
Thiago Goulart é o Editor da Vai Investir e do podcast Valor de Mercado. Adora praticar tênis, ler, escutar música e estar na presença de amigos e família. Graduado em Letras pela UFES e em Jornalismo pela PUC-SP, está se tornando também especialista em finanças com o MBA no tema pela PUC- RS. Com uma longa carreira em sala de aula, desenvolveu a habilidade e sensibilidade para conectar pessoas a conhecimentos. Hoje, aplica essa experiência de maneira mais específica para o mercado financeiro, por quase 3 anos sendo o principal responsável pelo desenvolvimento e curadoria de conteúdo para a Valor Investimentos e Vai Investir.
Artigos
Posts relacionados
Aprenda a InvestirRenda Variável

Metaverso: o que é e como investir?

4 Minutos de leitura
Análise & OpiniãoAprenda a Investir

Como economizar na compra de materiais escolares

3 Minutos de leitura
Aprenda a Investir

Qual é o seu perfil de investidor? Conheça os 3 existentes

4 Minutos de leitura
×
Análise & Opinião

A maior habilidade do século 21: autoconhecimento