Análise e Opinião

Análise e Opinião

Curiosidades do mercado financeiro: Piratas também investem!

Por
Ester Valentim

Parece mentira, mas é uma história real.

Hoje irei falar sobre uma das maiores curiosidades do mercado financeiro: em 2009, os piratas de uma cidadezinha localizada na Somália (dentro do Chifre da África) criaram a sua própria bolsa de valores para financiar suas expedições.

Como funcionava?

Os investidores que acreditavam nas expedições piratas compravam cotas dessas expedições e os piratas usavam o dinheiro para financiar toda a operação.

Quando eles voltavam, se tudo tivesse ocorrido de acordo com o planejado, eles dividiam os recursos saqueados com os investidores que tinham comprado cotas.

Tudo funcionava exatamente como uma bolsa de valores. Os investidores até podiam comprar e vender entre eles, não apenas com os piratas.

Aberto 24 horas por dia, os habitantes locais podiam obter uma parte dos espólios do resgate fornecendo não apenas dinheiro, mas suprimentos, como comida e armas.

Mais de 3.000% de retorno sobre o investimento

Um exemplo bastante vinculado seria o caso de Sahra Ibrahim.

Ela decidiu contribuir com uma granada propelida por foguete que recebeu como pensão alimentícia no acordo de divórcio.

Os piratas retornaram $ 75.000 para ela como compensação após uma operação bem-sucedida. Estima-se que um RPG-7 custe $ 2.000, o que significa que ela obteve um retorno de 3650% sobre seu investimento.

A brecha que levou a dominação pirata

A Somália é um país que lidou por décadas com a ausência de um governo central forte e enfrentou conflitos internos severos entre grupos armados.

Entre 1991 e 2012, o país ficou sem um Parlamento e um governo central articulado, o que contribuiu para que regiões inteiras fossem ao caos da insegurança e falta de estrutura. Por causa disso, a Somália se transformou em um dos paraísos da pirataria.

Entre abril de 2005 e dezembro de 2012, estima-se que os piratas lucraram entre 339 e 413 milhões de dólares em resgates na costa da Somália e no Chifre da África. Os dados são de um relatório de 2013 da UNODC, escritório da ONU para drogas e crime, o Banco Mundial e a Interpol.

O fim da festa

A atividade pirata diminuiu 90% em 2012, quando os navios de carga começaram a contratar segurança privada.

As forças navais da União Europeia e dos EUA ficaram mais agressivas e o policiamento em terra começou a se desenvolver.

Em 2013, os piratas de Harardhare, cidade da Somália, não conseguiram sequestrar um único navio, marcando o colapso da indústria da pirataria e sua lucrativa bolsa de valores.

A grande lição

É preciso tomar cuidado com os mercados alternativos não regulamentados. Investimentos arriscados estão sujeitos a extrema volatilidade e possuem riscos tão altos quanto possibilidades de ganhos.

No início os investidores de Harardhare tiveram sucesso, mas tudo foi tirado deles. Uma vez que os piratas mexeram demais com o mercado internacional, eles foram eliminados e os investidores se ferraram.

Aqui no Brasil criptomoedas e NFTs não são proibidos, pois, de acordo com a legislação vigente tudo aquilo que não é expressamente proibido em lei é permitido. Mas também não são regulamentados.

Para alguns, esse fato é justamente a beleza da coisa. Esse raciocínio não é errado, mas é sempre bom tomar cuidado para não confundir especulação com investimento.

E ai? Já sabia dessa história?

Espero que você tenha gostado!

Essa e outras histórias exclusivas são enviadas aos nossos assinantes todos os domingos às 8:30. Além disso, todos os dias, às 6:30, te mantemos atualizado sobre as as principais notícias do mercado. Quer começar a receber esses conteúdos? Inscreva-se na nossa newsletter.

Se você conhece alguém que pode se beneficiar desse conhecimento, envie o link deste conteúdo para a pessoa.

Até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.