Educação FinanceiraSelic

TR: O que é e para que serve a taxa referencial?

3 Minutos de leitura

Você já ouviu falar em Taxa Referencial? Conhecida como TR, ela era considerada importante nos anos 90 por conta da sua influência no controle da inflação nacional. Nos dias atuais, porém, já não se dá tanta importância assim a taxa. Isso porque seu rendimento é nulo, sendo útil apenas às rentabilidades dos investimentos na qual está atrelada.

Em algum momento você já deve ter trabalhado com carteira assinada, utilizado a caderneta de poupança para realizar aplicações ou feito um financiamento habitacional, certo? Se você já realizou alguma dessas ações, saiba que a TR teve impacto direto na sua vida financeira. Por este motivo, é tão importante saber o que é e como calcular essa taxa.

Pensando nisso, a Vai Investir escreveu este artigo para te explicar tudo o que precisa saber sobre a Taxa Referencial, para que você não fique perdido e possa realizar investimentos mais seguros. Vamos nessa?

Conheça mais sobre a Taxa Referencial

Talvez muitos brasileiros ainda se lembrem de quando o país vivia em um dos cenários mais preocupantes economicamente: o da hiperinflação. Naquele período, ainda sob administração do presidente Fernando Collor, os níveis de inflação ultrapassaram os 50%. Foi dentro desse cenário que a TR foi criada.

A criação desta taxa teve um motivo: conduzir o controle da inflação por meio da criação do índice de correção monetária e, com isso, proteger o poder de compra da moeda brasileira. Mas você deve estar se perguntando: como funcionava exatamente esse combate à inflação? A TR era avaliada e medida todos os dias e, todo final de mês, por meio dos dados já coletados, o governo podia avaliar a inflação acumulada durante aquele período.

Como a Taxa Referencial tinha relação direta com a inflação, ela era utilizada como correção monetária, evitando que o valor da moeda brasileira perdesse o valor de compra de um dia para o outro. De modo geral, era certo afirmar que se a inflação subisse, a TR subia também o que desencadeava no valor de compra da moeda.

Isso durou até 1994, quando o Plano Real foi implementado e utilizado como combate à inflação da época. Dentro desse cenário e com uma nova moeda vigente no país, a TR começou a perder o valor e sua importância dentro do mercado econômico brasileiro.

Hoje, a Taxa Referencial perdeu sua relevância para a Taxa Selic quando o assunto é combate e controle da inflação. Mas ainda é importante saber como calculá-la, uma vez que ainda está presente em cálculos de rendimento da poupança, financiamento imobiliários e nos rendimentos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Não tem como dizer que a TR não faz mais parte da vida dos brasileiros, não é mesmo?

Como calcular a TR

O Banco Central utilizava a média ponderada e ajustada das taxas de juros fornecidas pelos Certificados de Depósito Bancário (CDB) vinculadas diretamente com as 30 maiores instituições financeiras do país para calcular a Taxa Referencial. Após o resultado da média, eles divulgavam o valor mensalmente. Esse número divulgado é o que chamamos de Taxa Básica Financeira (TBF).

O cálculo funciona da seguinte maneira : R = (a+b) x TBF

Considerando que:

– R é o Redutor;

– a é considerado um valor fixo igual a 1,005 (definido na criação da TR);

– b varia de acordo com o valor da TBF (divulgado pelo Banco Central);

– TBF (Tarifa Básica Financeira definida e divulgada diariamente pelo Banco Central).

Tendo o valor do Redutor, é possível encontrar o valor da TR. Basta aplicá-la na fórmula a seguir: TR = 100 x {[(1 + TBF ÷ 100) ÷ R]  – 1}

Mas fique tranquilo! Você não precisa utilizar essas fórmulas para encontrar o valor da TR e como ela afeta seus investimentos. O Banco Central disponibiliza uma calculadora que já realiza todas as operações necessárias.

Como anda a Taxa Referencial?

Desde o segundo semestre de 2017, a TR tem valor nulo. Em 2021, o valor permanece esse mesmo. Na tabela a seguir, é possível compará-la com o valor da Taxa Selic:

Mês Taxa Selic* Taxa Referencial (TR)*
Janeiro 1,09% 0,17%
Fevereiro 0,87% 0,03%
Março 1,05% 0,15%
Abril 0,79% 0,00%
Maio 0,93% 0,08%
Junho 0,81% 0,05%
Julho 0,80% 0,06%
Agosto 0,80% 0,05%
Setembro 0,64% 0,00%
Outubro 0,64% 0,00%
Novembro 0,57% 0,00%
Dezembro 0,54% 0,00%

* Os valores são referentes ao ano de 2017.

Fonte: Banco Central e Ministério da Economia

Relação da TR com os investimentos

Desde o segundo semestre de 2017, quando a Taxa Referencial passou a ter rendimento nulo, qualquer investimento feito que esteja atrelado a ela estará comprometido. Por esse motivo, não é recomendado para patrimônio.

Se você não sabe como investir seu patrimônio e precisa de ajuda para encontrar a melhor solução para o seu dinheiro, entre em contato com a equipe da Vai Investir no WhatsApp . Iremos te ajudar a encontrar o investimento certo para você!

Conclusão

Agora que você já sabe como funciona e calcula a TR, fique atento aos seus investimentos e como ela anda afetando sua rentabilidade. Apesar de ter perdido seu valor de mercado, a Taxa Referencial continua impactando diretamente em diversos investimentos. A Vai Investir conta com uma equipe completa que pode te ajudar a entender melhor sobre o assunto e investir seu dinheiro com segurança!

Posts relacionados
Análise & OpiniãoEducação Financeira

Praticar tênis é uma aula de investimento

10 Minutos de leitura
Sempre gostei de praticar esportes e, de certa forma, sempre me identifiquei ora mais, ora menos com alguns perfis de determinados esportistas….
Educação Financeira

Juros simples: como utilizar a fórmula para calcular?

4 Minutos de leitura
Você já deve ter ouvido falar em juros simples, não é mesmo? Saber o conceito e como calcular esta taxa é importante…
AçõesEducação Financeira

O que é home broker e como funciona essa ferramenta?

4 Minutos de leitura
Quando se fala em investir na bolsa de valores, uma das primeiras informações que se deve saber é o que é um…

Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email: