Fundos de InvestimentoGuias de Investimentos

Fundos de investimento: o guia com tudo o que precisa saber

10 Minutos de leitura

Você já ouviu falar em fundos de investimento? Existem vários tipos deles — como os fundos DI, que reúnem investimentos em renda fixa. Eles são uma ótima opção para investidores que desejam diversificar suas aplicações com a ajuda de um profissional.

Isso, porque os fundos são administrados por um gestor. Desse modo, você conta com alguém experiente e não precisa tomar suas decisões sozinho. É claro, porém, que se faz necessário entender sobre esses investimentos antes de alocar recursos neles, certo?

Então, confira as informações que trouxemos neste post para saber tudo de que precisa sobre esse assunto!

O que são fundos de investimento?

Os fundos funcionam como um investimento coletivo. Em vez de escolher uma aplicação e colocar seu dinheiro nela, você compra a cota de um fundo e se junta a diversos outros investidores. Com isso, a quantia investida por todos fica sob responsabilidade do gestor.

Ele decide no que investir de acordo com as regras do fundo. Depois, os ganhos obtidos pelo grupo são divididos de acordo com o número de cotas que cada investidor adquiriu.

Isso significa que a carteira de investimentos de um fundo não é escolhida por cada investidor isoladamente, mas pelo gestor profissional. Assim, como dissemos, você conta com a facilidade de ter uma pessoa experiente tomando as decisões.

Fundos de investimento: como funciona?

Em geral, sabemos que os fundos de investimento nada mais são do que uma forma de realizar investimentos de uma maneira mais simples, sem que processos mais complexos sejam incididos nessa modalidade.

Ou seja, você não precisa ser um total expert em renda variável ou fixa. Nesse caso, basta apenas entrar na plataforma de sua escolha e realizar um simples investimento.

Entretanto, os gestores de fundo da Vai Investir acabam assumindo um grande papel nesse processo, pois eles entendem mais a fundo sobre esse mercado e podem oferecer estratégias e experiências ainda mais avançadas, de forma que os resultados obtidos possam ser ainda melhores.

De forma prática, para aplicar um fundo, você não precisa começar com valores exorbitantes: R$100 reais já pode ser um bom começo para entender como funciona esse mercado e já começar a ganhar rendimentos.

Contudo, por existir essa facilidade para começar com pouco, os fundos de investimento ainda podem cobrar duas taxas distintas: a de performance (apesar de nem todas cobrarem com frequência) e a de administração.

Quais são os tipos de fundo de investimento?

Há diferentes tipos de investimento. Logo, nada mais justo do que existirem também diversos tipos de fundo de investimento. Afinal, cada um pode alocar os recursos dos cotistas em alternativas variadas — como títulos públicos, ações etc.

Como saber de que forma cada um funciona? O primeiro passo é identificar o tipo de fundo. Assim, você vai saber quais são as regras gerais às quais ele precisa se submeter. Confira os principais tipos a seguir.

Fundos de renda fixa

Vamos começar pelos investimentos mais conservadores. Os fundos de renda fixa são chamados assim porque, via de regra, precisam manter a maior parte da sua carteira em títulos desse tipo. Ou seja, aplicações em renda fixa pública ou privada.

Isso confere a esses fundos a característica de ter maior estabilidade e segurança, se comparado aos riscos de um fundo que invista em renda variável. Por isso, eles são muito escolhidos por investidores iniciantes ou conservadores.

Nesse grupo, estão os fundos DI, cujo principal objetivo é acompanhar a taxa do CDI. Para isso, os gestores aplicam principalmente em títulos que são atrelados a essa taxa — como CDBs, letras de crédito e alguns títulos públicos.

Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários já são um tipo diferente. O foco deles é o investimento no mercado imobiliário. Isso pode se dar tanto pela compra e venda de imóveis, quanto pela posse de casas, galpões e lojas para aluguel ou, ainda, pela negociação de títulos ligados a esse mercado.

Eles são vantajosos para quem deseja investir em imóveis sem comprá-los diretamente. Ao adquirir cotas em fundos imobiliários, você lucra com esse mercado e tem a vantagem de investir muito menos do que seria necessário para comprar esse bem.

Fundos de ações

Os fundos de ações são investimentos que focam as negociações da bolsa de valores. A regra é que, pelo menos, 67% da carteira de um fundo desse tipo esteja alocado em ações. O restante pode ser investido em alternativas mais conservadoras, para funcionar como uma reserva de segurança.

Como a porcentagem aplicada em ações pode ser maior, cabe ao investidor conferir o funcionamento de cada fundo para decidir se adquire cotas dele ou não. Os fundos de ações apresentam maior volatilidade do que os outros que comentamos até aqui. Afinal, a bolsa passa por muitas variações ao longo do tempo.

Por isso, esse investimento é mais indicado para os investidores que aceitam correr um risco maior em busca de mais rentabilidade. Conservadores também podem buscá-lo para entrar na bolsa de maneira mais segura, confiando em um gestor experiente.

Fundos cambiais

Quem já pensou em investir em moedas estrangeiras pode se interessar pelos fundos cambiais. Eles mantêm seu foco nesse tipo de investimento — pelo menos 80% do patrimônio do grupo precisa ser alocado em moedas estrangeiras.

O risco desses investimentos também costuma ser um pouco maior, já que eles acompanham a variação do valor das moedas internacionais em relação ao real. O mais comum é que investidores busquem fundos cambiais para aplicar em dólar.

Fundos multimercados

Imagine um fundo de investimento que pode aplicar em todos os outros tipos que apresentados antes. Essa é a ideia dos fundos multimercados. Eles podem compor seu portfólio com ativos de diferentes modalidades — como renda fixa, câmbio, imóveis, ações etc.

Assim, é a opção para os investidores que desejam diversificar e evitar fundos que foquem um só tipo de investimento. Entretanto, é importante ficar atento aos riscos e à qualidade da gestão desses fundos, já que não há regras que imponham percentuais para cada investimento.

Como é a estrutura de um fundo de investimento?

Antes de tudo, existem outros critérios que compõem um fundo de investimento (já que não estão relacionados somente às cotas). Nesse quesito, confira abaixo as estruturas que definem esse tipo de fundo:

1. Gestor

Popularmente conhecido como “asset” no mundo dos investimentos, o gestor acaba tendo um papel de suma importância na composição do fundo de investimento, já que ele é o principal responsável por tomar as devidas ações.

Por esse motivo, entendemos que esse processo atribui muita responsabilidade, e assim, deve ser conduzido por profissionais e especialistas da Vai Investir altamente capacitados ou até mesmo por pessoas jurídicas que tenham registro na CVM.

2. Administrador

Mesmo que a sua função em relação ao gestor possa ser visualmente parecida, o administrador acaba se destacando um pouco mais, sobretudo por atuar diretamente junto aos cotistas.

E já que a administração sempre está atrelada a algum tipo de instituição financeira, cabe a ela realizar serviços de custódia de ativos, gestão de carteira, consultoria em geral, entre outros relacionados.

3. Custodiante

Antes de tudo, sabemos que qualquer investimento realizado em renda variável deve ser realizado através de uma instituição financeira, já que ela faz a “ponte” entre a bolsa de valores com os cotistas.

Sendo assim, o fundo de investimento acaba realizando a compra de ativos financeiros, e como tal, é necessário mantê-los sob custódia, ou em outras palavras, “guardado” na carteira.

Agora podemos entender qual é a função do custodiante, que na maioria das situações, também acaba sendo exercida pelo próprio administrador.

4. Auditor

Caso você não saiba, existem algumas diretrizes e normas impostas pela CVM que devem ser seguidas à risca, a fim de que o fundo possa ser constituído. Um desses processos é a necessidade de contratar um auditor — credenciado e independente — que irá ratificar que tudo estará sendo realizado de acordo com as boas práticas orientadas pelo mercado.

5. Distribuidor

Como bem sabemos, os fundos de investimentos devem ser comercializados em varejo, já que trata-se de um produto financeiro. De forma prática, esse processo é realizado pelo distribuidor, cuja função acaba sendo desempenhada pelos bancos em geral ou pelas corretoras.

6. Assembleia Geral de Cotistas

Mesmo que o gestor tenha total independência em optar por decidir diversos processos, a aprovação de todas as atividades só é realmente ratificada pela Assembléia Geral de Cotistas, a fim de que sejam validadas.

Um exemplo a citar são as substituições na gestão em relação ao fundo, bem como as formas de calcular as taxas, as mudanças nas políticas de investimento, entre outros relacionados.

Quais as vantagens dos fundos de investimento?

Um dos principais pontos positivos de alocar recursos em um fundo de investimentos é poder aproveitar a ajuda de um profissional especializado. Você terá alguém gerindo suas aplicações, então, pode obter rendimentos mesmo sem entender muito sobre o mercado. Além disso, é possível aprender analisando as escolhas do gestor.

Outra vantagem de investir em fundos é diversificar sua carteira com pouco dinheiro. Comprando cotas em fundos de investimento, você terá aplicações em diferentes produtos da renda fixa e variável, mesmo tendo alocado uma quantia limitada. Seria necessário um valor bem maior para fazer esses mesmos investimentos de maneira isolada.

Com isso, podemos dizer que os fundos de investimento são aplicações acessíveis. Afinal, eles permitem que pequenos investidores se reúnam para compor um capital muito maior e aproveitar produtos financeiros que não estariam disponíveis para sua renda inicial.

É importante destacar, também, que os fundos promovem praticidade. Ao investir em ações, por exemplo, é necessário dedicar tempo para estudar as empresas e acompanhar as mudanças do mercado. Entretanto, alocando seu dinheiro em um fundo, você passa a analisar o trabalho do gestor, e não cada empresa individualmente.

E quais são as desvantagens?

Investir em fundos de investimento também tem desvantagens. Cabe ao investidor analisar os pontos positivos e negativos e refletir sobre qual é a melhor decisão. Um primeiro fator que merece sua atenção são as taxas que devem ser pagas por quem compra cotas de um fundo.

Como os investimentos são organizados por um gestor profissional, é preciso pagá-lo. Por isso, os fundos têm uma taxa de administração. Ela é cobrada de acordo com o patrimônio que você investe e pode variar bastante entre um fundo e outro.

Considerando isso, vale a pena analisar esse aspecto antes de investir. Compare as taxas com a rentabilidade do fundo e calcule seu retorno líquido — ou seja, o valor que você vai receber de lucro descontando as taxas. Dessa maneira, é possível ver se o investimento está vantajoso.

Além da taxa de administração, pode existir, também, uma taxa de performance. Ela é um bônus pago ao gestor quando o fundo bate suas metas de rentabilidade. Isto é, o investidor paga essa taxa quando recebe rendimentos maiores.

Outra desvantagem que deve ser citada é o risco, mas ele depende do tipo de fundo no qual você investe. Os fundos DI, por exemplo, apresentam riscos menores, por serem de renda fixa. Já os fundos de ações ou multimercados demandam uma análise mais atenciosa para avaliar o perigo de perder dinheiro.

O Fundo de Investimento é seguro?

Caso você não saiba, o fundo de investimento é uma modalidade totalmente regulamentada, e dessa forma, acaba sendo ainda mais segura para a sua carteira. Isso porque antes de serem ofertados no mercado financeiro, eles precisam ser registrados na CVM.

Com isso, ao começar a investir o seu dinheiro, você precisa somente verificar se ele encontra-se na lista do site do órgão competente.

Além disso, a Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), também é responsável por realizar a determinação correta de parâmetros que irão compor as carteiras.

Ela também possui uma outra atividade importante, que é a de realizar a fiscalização da qualidade de informações que são disseminadas e disponibilizadas no mercado financeiro. Em outras palavras, seu principal intuito é oferecer clareza e transparência para todos os investidores.

Gostou desse artigo? Conforme vimos, o mercado financeiro oferece diversas facilidades para quem está pensando em investir, e uma dessas opções é o fundo de investimentos.

Como investir em fundos?

Agora que você tem as informações básicas sobre fundos imobiliários, pode estar se perguntando como começar a investir neles. O passo a passo é bem simples. Basta abrir sua conta em uma corretora de valores, analisar as opções disponíveis e comprar o número de cotas desejado.

Entretanto, é preciso aprender a analisar cada fundo. O primeiro cuidado essencial é conhecer seu perfil de investimento. Com isso, fica mais fácil escolher as opções mais condizentes com seus objetivos. Depois, é hora de observar alguns indicadores. Veja quais são.

Lâmina do fundo

A lâmina é um resumo que apresenta as principais informações de cada fundo de investimentos. É possível conhecer o regulamento dele, seu risco, suas taxas e seu portfólio de ativos. Além disso, você observa a rentabilidade obtida por ele nos últimos cinco anos. Ela deve ser atualizada mensalmente pelo gestor do fundo.

Liquidez

A liquidez diz respeito à rapidez com que o investidor pode resgatar seu dinheiro sem perdas. Ela pode ser maior ou menor, dependendo das regras do fundo. Logo, é relevante conhecê-las, para não ter problemas. Verifique se há alguma carência para pedir o resgate e quanto tempo demora para ocorrer o pagamento quando o valor é solicitado.

Rating

O rating é uma nota dada aos investimentos de acordo com a qualidade da gestão, a rentabilidade, o fator de risco e outros aspectos relevantes. Ele é feito por agências de análise e oferece uma importante ajuda ao investidor. Ao conhecer o rating dos fundos, você consegue avaliar melhor suas opções.

Qual a importância de uma assessoria em investimentos?

Como você viu, existem inúmeros fundos de investimento para sua escolha. Eles variam bastante de acordo com o tipo e com diversas características, como o gestor e a carteira de investimentos, o que pode tornar difícil se decidir entre eles.

Embora os fundos de investimento sirvam bem para investidores de qualquer perfil, é importante ficar atento para fazer boas escolhas. Nesse sentido, uma assessoria de investimentos é muito útil. Ela ajudará na análise de cada opção e na definição daquilo que é melhor para o seu caso.

Os fundos de investimento podem ser muito vantajosos para os investidores. A melhor maneira de aproveitar ao máximo essas vantagens é conhecendo suas particularidades — desde os fundos DI até os de ações. Depois de ler este post, você está mais preparado para realizar suas análises!

Essas informações contribuíram para o seu aprendizado? Aproveite para assinar a nossa newsletter e acompanhar novos conteúdos!

Posts relacionados
Guias de InvestimentosRenda Variável

Tudo sobre renda variável

9 Minutos de leitura
A escolha dos investimentos que farão parte da sua carteira depende de uma decisão informada. Assim, há como contemplar seus objetivos, seu…
Educação FinanceiraGuias de Investimentos

Planejamento Financeiro: tudo o que você precisa saber para fazer o seu!

11 Minutos de leitura
O seu dinheiro pode ser um grande aliado na conquista de objetivos e no alcance de novas oportunidades. Porém, isso só é…
Guias de Investimentos

Como minimizar os impactos da COVID-19 no seu orçamento? Leia agora.

4 Minutos de leitura
Entre todos os impactos que a COVID-19 está causando, as consequências na área da saúde e da economia são as que mais…