Análise e Opinião

Análise e Opinião

Investir em imóveis é uma boa opção?

Por
Pedro Lang

Na coluna dessa semana gostaria de trazer uma visão diferente sobre tudo o que é falado em relação ao investimento em ativos reais.
O objetivo é provocar reflexões em relação a um dos investimentos considerados mais conservadores, mas que na verdade está bem longe de ser. Gostaria que todos os investidores considerassem o investimento em lojas, lajes, apartamentos, casas e tantos outros ativos reais, uma parte de sua carteira toda e entendessem o que está por de trás dessa classe.

Imóveis são investimentos estáveis?

Começo pela aparente estabilidade do preço dos imóveis, que parecem sempre seguir uma tendência de aumento em seu preço e no pior dos casos uma estabilidade. A tranquilidade do investidor nada mais é do que uma falsa sensação de segurança trazida pela falta de liquidez (capacidade de transformar o investimento em dinheiro) característica desse tipo de ativo.
Então, imagine só, se todos os dias alguém fizesse uma proposta de compra por uma loja comercial no centro de Vitória, ou melhor, se a propriedade do imóvel trocasse de mão diariamente e alguem avaliasse o negócio com base nas expectativas sobre o futuro daquele ponto. Em momentos de economia forte, desemprego baixa e economia crescendo, o valor do imóvel seria maior do que em momentos de crise por exemplo.

Vale a pena investir em imóveis?

Convido-o a aprofundar ainda mais nossa conversa. E se ao invés do momento da nossa economia levássemos em consideração o que esperamos do futuro, afinal, o valor de qualquer ativo é uma função da expectativa da geração de renda daquele ativo pelos próximos anos. Os agentes econômicos são racionais e incorporam em suas previsões o que está acontecendo agora, e quando a taxa básica de juros muda, precisamos incorporar essa mudança na avaliação do nosso negócio.
Se os imóveis fossem líquidos como as cotas de fundos imobiliários (veículos de investimento que compram imóveis) o investidor médio se assustaria com o comportamento do preço. Me arrisco a dizer, que a maior parte dos donos das propriedades repensaria sua concentração de patrimônio imobilizado.

A notícia boa, é que o risco de investir na economia real vale o retorno que tivemos até hoje. Apesar da volatilidade que não enxergamos, o rendimento médio dos imóveis superou com folga a rentabilidade da renda fixa nos últimos 100 anos, e apesar de ter retorno menor do que a média das ações da bolsa de valores, ainda é um investimento de menor risco.
A lição final é a de que cada tipo de investimento tem suas particularidades e que é sempre importante levar em consideração cada detalhe das classes de ativo antes de decidir alocar parte do patrimônio. Trate cada investimento, seja ele financeiro ou na economia real como uma peça do quebra cabeça que é o seu portfólio.

Acompanhe minha coluna com minhas análises do mercado financeiro, veja a relação de todos os artigos já publicados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.