Educação FinanceiraGuias de Investimentos

Planejamento Financeiro: tudo o que você precisa saber para fazer o seu!

11 Minutos de leitura

O seu dinheiro pode ser um grande aliado na conquista de objetivos e no alcance de novas oportunidades. Porém, isso só é possível com o preparo certo e boas decisões. É exatamente para tal finalidade que existe o planejamento financeiro e patrimonial.

A ideia é criar um plano completo e que seja totalmente personalizado para as suas necessidades e expectativas. Assim, é possível aproveitar ao máximo seus recursos e, principalmente, favorecer o alcance de objetivos.

A seguir, você poderá acompanhar um guia com tudo que é preciso saber sobre esse tipo de planejamento e como ter o seu. Confira!

O que é planejamento financeiro?

O planejamento financeiro consiste no processo de construção de uma estratégia que busca otimizar o uso do seu dinheiro. A ideia é que ele sirva para tomar decisões eficientes e que considerem objetivos pessoais, características do patrimônio e condições gerais.

Ao pensar em qual é a melhor definição de planejamento financeiro, é possível enxergá-lo como um mapa capaz de conduzi-lo aos seus objetivos financeiros. Ele é composto por um plano de ação, por riscos que devem ser considerados e por medidas que ajudam a melhorar o uso do dinheiro.

Como fazer um planejamento financeiro?

Para fazer um planejamento financeiro pessoal é preciso, primeiramente, aumentar seu nível de educação financeira. Quanto mais preparado você estiver, maiores são as chances de criar uma estratégia que seja eficiente.

Com mais conhecimento sobre o assunto, torna-se viável cuidar melhor do seu dinheiro. Isso envolve seguir etapas como:

  • ter organização financeira;
  • identificar quanto dinheiro entra e quanto sai;
  • montar um orçamento;
  • fazer controle financeiro para garantir o cumprimento do planejado.

A intenção é melhorar o uso do dinheiro e evitar que ele seja desperdiçado em compras desnecessárias ou em gastos que podem ser reduzidos, por exemplo.

O planejamento também inclui definir seus objetivos pessoais. Por que você pretende fazer planejamento financeiro? O que ele deve ajudá-lo a conquistar em curto, médio e longo prazo?

Depois, é interessante montar uma reserva financeira. Ela serve para cuidar da segurança, em caso de imprevistos. O ideal é que ela seja igual a 6 meses de custos cotidianos. Assim, você poderá se sustentar por um semestre inteiro, mesmo que perca todas as fontes de renda.

Logo que tiver sua reserva financeira, vale pensar em investir dinheiro para fazê-lo trabalhar para você. Nesse momento, é necessário conhecer seu perfil de investidor — que varia entre conservador, moderado ou arrojado, dependendo da sua tolerância ao risco.

Baseado no seu perfil, crie uma estratégia de investimentos que o ajude a alcançar seus objetivos. A ideia é ter uma carteira com o nível de risco adequado para você e suas metas, que o ajude a alcançar resultados financeiros e patrimoniais.

Qual a importância de um planejamento financeiro?

Um bom planejamento financeiro pode fazer a diferença na sua vida em muitos pontos. Por exemplo, ele ajuda a ter mais tranquilidade, previsibilidade e preparo para o futuro.

Com a reserva de emergência, os investimentos e um comportamento melhor quanto ao uso do dinheiro, você se protege de imprevistos. É uma forma de sair das dívidas e de construir uma vida financeira mais saudável.

Além disso, o planejamento certo favorece a realização de sonhos. Comprar ou quitar a casa própria, trocar de veículo, abrir um negócio ou ter uma aposentadoria tranquila são alguns planos que podem se realizar mais facilmente desse modo.

Acima de tudo, planear-se é uma maneira de não viver apenas contando com seu salário. Em vez de estar sempre na corda bamba financeira, você consegue encarar o futuro com mais controle — usando o dinheiro a seu favor.

Dependendo de como será seu planejamento, é possível até atingir níveis mais elevados, como a liberdade ou até a independência financeira. Assim, você precisará se preocupar cada vez menos com as limitações de dinheiro, sem deixar de concretizar seus objetivos.

Qual a diferença entre planejamento financeiro e patrimonial?

Apesar de serem termos semelhantes, é importante saber que o planejamento financeiro não é a mesma coisa que a modalidade patrimonial. Como você viu, o primeiro envolve a criação de uma estratégia para usar o dinheiro e fazê-lo render rumo a objetivos definidos.

Já o planejamento patrimonial funciona de modo diferente. Ele envolve o patrimônio de uma pessoa física, jurídica ou de uma família. Portanto, inclui a soma de bens e valores que podem ser convertidos em dinheiro.

A ideia da sua execução é definir um plano de proteção, consolidação e expansão do patrimônio. Com isso, ele se relaciona com a tranquilidade financeira. Afinal, quanto maior for o patrimônio, maior tende a ser a proteção financeira observada, devido aos recursos disponíveis.

Um planejamento patrimonial familiar é especialmente importante, já que pode ser responsável por garantir bens que passem ao longo das gerações. Nesse caso, ele visa também a evitar que os valores sejam dilapidados, pensando no futuro dos descendentes.

O que é gestão de riscos?

Lidar com dinheiro sempre envolve riscos. E um dos principais objetivos ao se planejar é gerar maior segurança para si mesmo e sua família, certo? Por isso, a gestão de risco tem caráter essencial. Tomar a decisão de investir, por exemplo, ajuda no risco de perder dinheiro para a inflação.

Nesse caso, seu patrimônio estará rendendo e aumentando o poder de compra. Se ficasse parado em uma conta-corrente, o dinheiro passaria a valer menos com o tempo. Além desse ponto, a gestão de risco também considera outros aspectos.

É o caso de pensar em seguros que protejam seus bens e até mesmo sua vida. Um seguro veicular evita que você possa enfrentar grandes perdas com seu carro. Já um seguro de vida permite proteger sua renda familiar em caso de invalidez ou morte, por exemplo.

Em relação ao plano de investimentos financeiros, também é preciso considerar os riscos. Nesse contexto, a gestão de riscos avalia o quão seguros são os ativos e aplicações, para basear a tomada de decisão.

O que é gestão de ativos?

Outro componente importante de um bom planejamento financeiro e patrimonial é a gestão de ativos. Ela consiste em entender melhor a situação dos ativos, em busca de oportunidades.

Esse processo de gerenciamento é feito em diversas etapas. Tudo começa com a identificação do perfil de investidor, considerando tolerância ao risco e objetivos de curto, médio e longo prazo. Depois, passa-se a pensar na composição de carteira.

Com a ajuda de um diagnóstico completo, é possível entender as características do portfólio, simular configurações otimizadas e orientar a tomada de decisões. Assim, você organiza metas — como a reserva de emergência, o crescimento do patrimônio e a conquista de independência financeira.

Quem pode fazer meu planejamento financeiro?

Um planejamento financeiro pessoal ou familiar pode ser feito por conta própria. Com base em seus conhecimentos adquiridos pelo reforço de educação financeira, é possível entender quais são os pontos relevantes e como traçar sua estratégia.

Ao mesmo tempo, vale considerar que a atuação de profissionais qualificados favorece a criação do plano e a conquista de resultados. Então, nesse caso, um planejador financeiro pode ficar responsável por essa etapa na sua vida.

O profissional aplicará todos os conhecimentos de maneira personalizada, de acordo com as suas características. Além disso, a definição dos caminhos a seguir e dos passos para dar envolve a sua participação direta.

Portanto, o planejamento pode ser construído a várias mãos, unindo suas percepções, necessidades e expectativa aos conhecimentos técnicos e à experiência. Assim, você poderá aproveitar o plano de modo ainda mais completo, contando com suporte qualificado.

Como contratar o serviço de planejamento patrimonial?

Para aproveitar os benefícios de um bom planejamento financeiro e patrimonial é importante buscar profissionais capacitados. Opte por contratar o serviço de um planejador preparado e que tenha autorização para atuar no mercado nessa função.

Assim, você terá mais segurança, por ter a certeza que o profissional faz recomendações adequadas para as suas necessidades. Entre as alternativas, vale a pena conhecer o serviço da Valor Investimentos, parceira da Vai Investir.

Ao contratá-lo, o cliente tem 12 meses de acompanhamento, com 4 reuniões fixas e a possibilidade de ter horas complementares. Os planejadores financeiros identificarão todas as suas características relevantes e, a partir disso, poderão traçar um mapa completo.

O plano de ação traz soluções recomendadas rumo a seus objetivos. Ao longo do tempo, você terá suporte para revisar e ajustar o plano, caso necessário. O preço é pago apenas pelo serviço, não sendo preciso arcar com taxas e comissões — o que aumenta a previsibilidade da contratação.

O que é planejamento sucessório?

Muitas pessoas acreditam que o planejamento financeiro e o patrimonial funcionam de maneira isolada. Porém, há diversos aspectos sobre o uso do dinheiro e a gestão de patrimônio que devem ser considerados e contemplados com um plano de atuação.

É por isso que o planejamento sucessório merece atenção. Ele consiste em todas as medidas previstas e executadas para garantir uma transferência estratégica de bens para os beneficiários definidos.

Essa transferência costuma acontecer quando o proprietário dos bens falece. Contudo, isso envolve maior burocracia e custos, logo em um momento difícil para os familiares. Por isso, o planejamento pode ser feito em vida, evitando burocracias e garantindo seu desejo.

Como fazer planejamento sucessório?

Para fazer o planejamento sucessório é preciso, primeiramente, conhecer o patrimônio atual. Vale a pena fazer um levantamento de tudo o que pode ser transferido para os beneficiários, de acordo com suas decisões.

Em seguida, é recomendado definir quem receberá os valores e bens. Os beneficiários de um planejamento sucessório não precisam estar limitados aos herdeiros de direito — embora seja necessário cumprir a legislação em relação ao percentual de cada herdeiro legal.

Após avaliar tudo, você pode definir como ocorrerá a sucessão patrimonial. Meios básicos incluem a criação de um testamento e a transferência em vida. No entanto, também é possível pensar em outros recursos.

A Previdência Privada, por exemplo, faz parte do planejamento da aposentadoria e também da sucessão. Afinal, o dinheiro acumulado ou a renda auferida não precisa passar por inventário e espólio tradicionais. Pode ir diretamente para os beneficiários indicados no plano.

Também há outros recursos, como a constituição de uma holding familiar ou a escolha de alguns investimentos voltados para os beneficiários.

Qual é o objetivo do planejamento sucessório?

Como você viu, o planejamento sucessório busca garantir uma transferência simplificada de bens e valores, de acordo com os seus interesses. Ele é importante para vencer a burocracia que existe quando alguém falece e seus bens são divididos.

Se não houver nenhuma orientação nesse sentido, a partilha do inventário é feita entre os herdeiros previstos por lei. No entanto, isso traz dois inconvenientes. O primeiro envolve as questões legais, já que contestações ou conflitos podem fazer com que leve anos até a conclusão do processo.

O segundo é o fato de muitos beneficiários não serem contemplados por lei. Sem um bom plano, eles não receberão o que você almeja. O planejamento, portanto, é útil para dar a certeza de que suas vontades serão atendidas.

Onde eu contrato planejamento sucessório?

Assim como o serviço de planejamento financeiro, a contratação de planejamento sucessório deve focar na qualidade de atuação. Portanto, o ideal é buscar profissionais autorizados e com experiência no assunto.

O serviço da Valor Investimentos envolve essa questão dentro da criação do plano financeiro. Ou seja, ao contratá-lo você terá acesso a diversas ramificações — como o cuidado com a sucessão de bens.

Essa é uma escolha que pode ajudá-lo a conquistar os resultados de interesse, sempre com personalização e consideração das suas necessidades. A principal vantagem é a de centralizar o seu planejamento, o que favorece a integração do plano e das ações a serem tomadas.

Como fazer blindagem patrimonial?

Uma parte importante do planejamento financeiro/patrimonial e da gestão de risco, envolvendo também a sucessão, é a blindagem patrimonial. Ela consiste em medidas de proteção ao patrimônio, de modo a garantir que ele esteja disponível ao longo do tempo.

Esse é um serviço voltado para pessoas físicas e famílias com patrimônio complexo — incluindo empresas, por exemplo. O grande objetivo dele é evitar que o patrimônio pessoal seja afetado por obrigações e problemas da empresa da qual se é sócio ou dono.

Ela também pode ser útil para evitar que ocorra a reivindicação de bens familiares em novos relacionamentos (como casamentos e uniões estáveis). Portanto, o objetivo é impedir que o patrimônio familiar seja afetado por condições das pessoas físicas.

Nesse sentido, é comum recorrer à constituição de holdings patrimoniais e/ou familiares. Você entenderá o funcionamento a seguir.

O que é holding familiar?

A holding familiar consiste em uma empresa responsável pela administração do patrimônio de diversas pessoas da família. Na prática, há uma transferência de bens das pessoas físicas para a pessoa jurídica.

Cada integrante do núcleo familiar participa da holding em proporções diferentes, garantindo a posse dos bens referentes a cada um. Um dos maiores benefícios é que há maior proteção dos bens, já que estão no nome da pessoa jurídica.

Além disso, a sucessão é facilitada, porque não segue as regras de transferência que estão ligadas aos bens de pessoas físicas. Por causa de suas características, a holding familiar é indicada tanto para fazer a blindagem patrimonial quanto para integrar o planejamento sucessório.

O que é planejamento tributário?

Quando se fala em planejamento financeiro, o pagamento de impostos deve estar no topo das suas preocupações. Afinal, a cobrança excessiva de tributos pode afetar seu patrimônio e causar dificuldades.

Para lidar com a situação, o planejamento tributário pode ajudar. Ele também é chamado de elisão fiscal e consiste em um plano estratégico visando ao menor pagamento de impostos. Tudo é feito dentro da lei, então não deve ser confundido com evasão ou sonegação fiscal.

O objetivo é organizar as finanças e o patrimônio para encontrar possibilidades de evitar fatos geradores de impostos, por exemplo. Também é possível adotar regimes tributários mais vantajosos e aproveitar ao máximo descontos e benefícios fiscais.

Por que fazer um planejamento tributário?

Como visto, o maior objetivo do planejamento tributário é reduzir os impostos devidos por meios legais. Graças a ele, é possível organizar todos os bens e direitos, de modo a definir a melhor configuração em termos de tributos gerados.

Na parte de investimentos, o planejamento é útil para aumentar a rentabilidade líquida. Com menos impostos cobrados, o rendimento total obtido se torna maior. Outro motivo para fazê-lo é o cuidado com o patrimônio.

Afinal, o pagamento de impostos no longo prazo pode comprometer boa parte dos seus valores acumulados — gerando os chamados custos compostos. Portanto, é importante ficar atento a essas questões para se organizar melhor.

Como fazer um planejamento tributário?

Para realizar esse planejamento, é preciso começar visualizando o patrimônio e os impostos que são normalmente devidos. Depois, é hora de ir em busca das regras aplicadas e das mudanças que podem ser feitas.

No caso de alguns investimentos, como a Previdência Privada, é possível escolher entre a tabela regressiva ou progressiva de Imposto de Renda. Com um bom planejamento, pode-se selecionar a alternativa que trará mais vantagens.

Também é necessário pensar em opções, como a criação de holding familiar, para aproveitar vantagens fiscais e tributárias sobre o patrimônio. Mas, para isso, contratar o serviço realizado por profissionais da área é o caminho mais seguro de evitar problemas.

Como você pôde notar, o planejamento financeiro e o patrimonial são essenciais para conquistar os melhores resultados. Com a ajuda das ferramentas e, principalmente, apoio profissional, será possível criar o plano de ação ideal para você!

Quer contar com o apoio de quem entende do assunto? Conheça o serviço de planejamento financeiro da Valor Investimentos, parceira da Vai Investir!

Posts relacionados
Educação Financeira

Como investir 100 mil reais? Descubra!

4 Minutos de leitura
Quem tem 100 mil reais e quer fazer alocações no mercado financeiro costuma se perguntar como investir esse valor. Entender como tomar…
Educação FinanceiraRenda Variável

Criptomoedas: o que são, como funcionam e como investir?

5 Minutos de leitura
Muitos investidores já ouviram falar da possibilidade de investir em criptomoedas, mas não sabem como esse mercado funciona. Com a ascensão dos…
Educação FinanceiraSelic

Relação entre Taxa Selic e Inflação (IPCA)

5 Minutos de leitura
Todos os dias, é possível ouvir nos noticiários sobre os índices e taxas percentuais que incidem na economia brasileira, como a Taxa…